De onde eu tiro as idéias para este blog (ou por que eu escrevo aqui)

por Gustavo Gitti 16 April 2008 34 comentários

A Rachel (já entrevistada aqui), do blog Eu Gosto de uma Coisa Errada, pediu que eu contasse de onde tiro as idéias para o Não2Não1. Demorei, but here it goes…

Eu escrevo porque o casal do metrô veio do Paraíso à Vila Madalena sem se falar ou olhar. Ela magoada, quase chorando, incapaz de falar a dor. Ele confuso, querendo falar, não sabendo o que fazer para dissolver aquilo. Eu escrevo porque ela olhou para ele uma só vez e quase disse tudo: “Eu só quero ficar bem, pegue agora na minha mão e me aninhe em você”. Eu escrevo porque eles começaram a conversar antes de descer, sem olhar um dentro do outro, sem perceber que o problema não era ele ir ou não ir no maldito casamento do fim de semana. Eu escrevo porque ele poderia ter ouvido o que ela não disse.

Eu escrevo porque ela ainda não é uma menina com uma flor. Anda com ombros arqueados, cabeça baixa, sem brilho. Busca olhares amorosos por todo lado, mas seus olhos continuam com culpa e raiva de si mesma. Eu escrevo porque ela ainda não sabe que é a mulher mais linda do mundo. E que para nascer a flor, bastaria que ela abrisse a mão.

Eu escrevo porque sexo é muito bom e alguém tem de falar alguma coisa sobre o que vem antes e depois.

Eu escrevo porque alguns (muitos?) homens não sabem o que significa respirar uma mulher.

Eu escrevo porque vejo homens dormindo e mulheres cansadas.

Eu escrevo porque um amigo não sabe escolher filme na locadora, programa de sábado à noite ou frutas no mercado. A namorada escolhe antes, tira o dinheiro antes dele na hora de pagar, responde ao garçom antes que ele se decida dentro de sua confusão, liga pedindo pizza (quando ela queria japonês) pois não aguenta mais de fome enquanto espera que ele acesse os emails.

Um cara de 40 anos fica dando em cima de uma garota aqui do trabalho. Ele fala de Deleuze e Derrida, mas não sabe mover seu próprio corpo. Aí eu escrevo. Outro recebe uma abertura feminina (“Quais músicas você gosta?”) e responde com uma lista de referências e links, quando tudo o que ela queria ler era: “Eu adoro MPB e hoje vou num bar com música ao vivo. Quer vir comigo?”.

Borges uma vez disse: “Tudo está dito. Falta aposta”. Eu não sou escritor, mas sei apostar.

Blog Widget by LinkWithin

Para transformar nossas relações

Há algum tempo parei de escrever no Não2Não1 e comecei a agir de modo mais coletivo, visando transformações mais efetivas e mais a longo prazo. Para aprofundar nosso desenvolvimento em qualquer âmbito da vida (corpo, mente, relacionamentos, trabalho...), abrimos um espaço que oferece artigos de visão, práticas e treinamentos sugeridos, encontros presenciais e um fórum online com conversas diárias. Você está convidado.



Receba o próximo texto

34 comentários »

  • Nati

    Os relacionamentos são inspiradores mesmo. Pena que não os observamos, nem os nossos, quanto mais o dos outros.

    Se bem que olhar os nosso é mais dificil que o dos outros.

    Escutar o que não foi dito. Muito díficil. Estamos muito ocupados com nossos próprios medos e certezas para perceber o sutil e latente do outro.

    Respirar uma mulher. Muitos não.. acho que quase NENHUM.

    Continue apostando Gustavo. Vale a pena.

    Sabe oque eu acho que falta em muitos homens? Ver a poesia, o detalhe, VER o feminino. Mas tem hora que acho que a mente de muitos ainda não suporta tanto brilho e movimento. Ai trava. Como um pc que não roda aquele tipo de programa.

    Enfim, continuo apostando também.

    =)

  • Giou

    É Gustavo, tens toda a razão. Me encaixo em alguns dos perfis citados por ti, e isso me doeu muito, pois perdi um amor de quase 5 anos justamente por essas pequenas coisas.

    Só depois de “abandonado” é que fui começar a refletir sobre meus erros, e a me perceber direito, a partir de um único referencial: eu mesmo.

    Sim, eu sempre “atrasei” em puxar a carteira (qdo tinha grana, claro! hehehe), ou em escolher algo do menu, ou em largar o email pra estar junto. Paguei caro.

    Tudo isso eu até consigo melhorar por mim mesmo, mas a linguagem feminina é que me barra a entrada no show, porque sou muito 8 ou 80 – ou seja, ou ela me faz um pedido com 3 vias assinadas e carimbadas, ou eu não entendo o que ela quer.

    Já perdi várias oportunidades por ser semi-analfabeto nesse idioma, mas lendo o teu blog e alguns outros começo a perceber determinadas sutilezas. Meu problema é ser “bonzinho” demais, gentil demais, tolerante demais, romântico demais, e estou percebendo que o “caminho” não é esse.

    Abraços e parabéns!

  • sarah k

    Tou boba aqui com seu texto … simplesmente perfeito.
    É isso mesmo viu?!! Vc foi demais, o segredo não é segredo, é simples, mas parece que a gente (as pessoas) gostam de complicar.
    Vou passar este link para uma pessoa, rs

    bjs
    ;-)

  • rachel

    Muito bom! Adorei o texto…

    Bisous

  • Vanilda

    Eu nunca quiz saber o porque vc escreve, porque o motivo é tão claro, limpido como água, mais foi bom ler voce novamente, é sempre bom.
    Na verdade, eu queria saber porque o fato de alguém perceber o outro de forma profunda, o torna tão diferente?
    A realidade é que o mundo está muito igual, e hoje já é uma quarta-feira de Abril, e o natal foi ontem. :)

    Beijao.

  • Deborah

    Gustavo, perfeito! Adorei suas razões para escrever.

    Há momentos em que a gente tenta vencer o abismo da falta de comunicação, e não consegue. Momentos em que achamos que estamos sendo óbvias, e na verdade continuamos crípticas para o rapaz ao lado.

    Que bom que existem pessoas – homens e mulheres – tentando encontrar as pontes que atravessem essa distância.

  • Rach

    Eeee Gustavo, que texto mais lindo…

  • Rafael Slonik

    Dizem por aí que felicidade é uma questão de escolha. Talvez possamos mudar um pouco dizendo que é uma questão de aposta.

    E quanta mulher nos comentários. UAL.

  • Talita

    (um suspiro bem profundo, de satisfação e prazer)

    Puxa Gu!! Que delícia… Que lindo ver um homem tão atento às mulheres, percebendo e lendo nosos desejos, medos e confusões… E ensinando outros garotos a ver isso também.

    E como disseram as garotas acima, estamos tentando atravessar estas pontes, e complicar o que é simples!

    Aprendo muito com você, e estou conseguindo ser mais feminina. Estava em uma fase da vida, onde por motivos vários, utilizei meu lado masculino um pouquinho demais – tomar decisões, fazer, ir frente, superar – e agora estou aprendendo a ser mais fluida, permitir, acolher,intuir, receber, enfim, ter mais equilíbrio, e está sendo muito bom!!
    Espero continuar a ler seus ótimos textos. Um grande Beijo!

  • Gustavo Gitti (autor)

    Oi Talita,

    Tu não sabes como fico feliz lendo isso que escreveu.

    Se eu puder contribuir um pouco só para que as mulheres sejam mais femininas e os homens mais homens, esse blog já terá cumprido sua missão.

    É isso que me dá energia para escrever.

    Beijo pra ti tb

  • Gustavo Gitti (autor)

    Giou, somos dois analfabetos. O lance é se colocar como aprendiz, aí tudo ensina o tempo todo, tudo o que se move.

    Quanto a ser “gentil demais”, isso não tem problema. O problema é agir por carência e esperando retorno, recompensa (afetiva ou sexual), feedback (“sim, você é foda”). O problema é a base de nossa ação. Às vezes somos gentis por puro orgulho, porque temos medo de perder, ou por apego…

    Mas gentileza, se livre dessas perturbações, não tem contra-indicações e pode ser infinitamente expandida. Até mesmo ao ponto de corrompermos e desrespeitarmos uma mulher, como uma forma de gentileza transcendental, por assim dizer.

    Nossa bondade deve ser tão livre a ponto de transcender a si mesmo e conseguir virar maldade. Mas essa maldade que surge da bondade é coisa boa, maliciosa, com “malemolência”, gingado. É com ela que invadimos uma mulher sem pedir licença e é com ela que vamos aprender uma outra forma de gentileza: vamos dar o presente e logo dar as costas, sem precisar sequer ver o sorriso derreter nossa mulher, sem precisar ouvir “obrigado”.

    Abração!!!!

  • Ruda

    Mulheres querem homens de atitude só isso.

    O que acontece é que nesse mundo “normal” as pessoas esqueceram que cada um é um individuo dentro de um tempo/espaço que pode ou não condizer com o seu.

    As pessoas “normais” fazem as coisas esperando algo em troca, esperando encontrar no outro a falta de si mesmo.

    Nós devemos dar nossos sentimentos aos outros como um presente à alguém amado, sem esperar receber nada em troca.

    A base de todas as ações está inerente a motivação que levou a ela.

  • Alê

    Lindo texto, menina flor foi uma citação muito feliz, é lindo!
    Vi uma cena parecida há uns dias numa festa. Todos se divertindo e aquele casal estático no canto. Ela quase explodindo em silêncio, ele bebendo e olhando as mulheres ao redor. Senti uma angústia enorme por eles e por mim.
    Mas o mais rico foi ler esse depoimento do Giou. Bonito ele compartilhar isso aqui. Há um tempo tb caiu essa ficha e depois de dolorida, me libertou. Quantas vezes as picuinhas prevaleceram, o orgulho, a “guerra fria”, a apatia… e que parte de mim permitiu isso. A realidade é que disso tudo só tiramos o aprendizado. E se consguimos ao menos aprender, parece que as portas se abrem novamente. E novas chances de apostar, vc disse tudo, é isso que vale, a aposta, do tipo “Como vc sabe que vai dar certo? Não sei, mas vou pegar esse trem.”

    bjs!

  • Luise

    Oláa
    Sempre leio os textos do seu blog e adoro… as palavras conseguem traduzir examente o q se passa na nossa cabeça qdo vivemos esses sentimentos que não encontramos palavras p/ descrever!
    Estou aprendendo a interpretar ainda melhor esses sentimentos e a lidar com eles.

    Adorei: “alguns (muitos?) homens não sabem o que significa respirar uma mulher”. VERDADEE

    Obrigada pelos lindos textos e Parabéns!

    Bjos

  • Melissah

    Navegando, meio que por acaso, cheguei ao seu blog… Mas, como não acredito em coincidências, acho que fui mesmo direcionada a essa leitura. Sabe quando vc encontra exatamente o que estava pensando e querendo ouvir naquele momento?!

    Hoje em tempos de relacionamentos superficiais é muito difícil encontrar um homem que saiba e queira “respirar” uma mulher e, que nesse respiro/suspiro consiga ver nela a “menina com uma flor” e a faça sentir-se como uma menina, ou melhor, como uma flor…

    Contudo, acho que a sensação de dar uma flor, e ver o sorriso de quem se ama, é tão boa quanto a de receber uma flor e ser surpreendida pelo seu amor. Assim, acredito que mesmo havendo poucos, ainda há homens que querem respirar uma mulher. Seu texto me faz persistir nessa crença.

    Parabéns pelo blog! Adorei!!

    Beijo.

  • Roger

    Gustavo parabéns pelo blog
    a 6 meses eu costumo passar por aqui e ler seus
    maravilhosos textos, desde já a desculpa pela falta de comentarios por aqui, nao li a respostas acima agora, mas realmente acredito em tudo que vi por aqui durante este tempo, já foi o tempo que os homens ditavam regras, hoje num relacionamento acredito que ao contrario de tempos atrás, a grande base nos dias de hoje é o companheirismo, sem aquelas falsas promessas de amor, e muito mas concreto e real, o homen muito mais decido e certo de saiba de si, para fazer uma mulher brilhar sem sufocar por que agora a mulher dança com quem ela quer e ponto final.

  • iara

    depois de uma noite agradável (juro que pensei que ia ser um desastre!!!)de pizza e vinho com as amigas….cheguei em casa sem sono e fui dar uma surfadinha na net, aí de pula-pula caí aqui….
    texto muito bom!
    a gente escreve porque observa os outros, a nós mesmos,sentimos….
    queremos entender o mundo de sentimentos que se desdobra em nós pela obsevação fora de nós….é o espelho.
    e escreve porque no tumulto interno das idéias as palavras organizam a mente
    vou passar por aqui mais vezes, adicionei nos favoritos. bjs

    iara

  • Betha

    Vc é d . Mas só escreve quem observa mesmo ne? Quem ta vivo!!!! Acredito que nas relações precisamos mais fugir dos papeis masculinos e femininos e nos abrir para a relação com o “outro”. Como gente, que tem historia, medos, traumas… Abraçar o outro , respirar o outro…
    Acredito que esse é o segredo para que nós possamos vencer as nossas proprias barreiras e picuinhas. Nos mulheres tambem nao sabemos “respirar” um homem. As regras entram no meio do caminho e o medo do ridiculo trava nossas emoçoes. Papeis? Pra que ne? a magica existe é longe deles. É só abrir o coração e a mente, como quando se ve a lua cheia nascendo no mar… e deixa aquela imagem imvadir a alma. Viver é simples, simples assim.
    Grande beijo.

  • Khandinho

    Você não é escritor… Gustavo tu me fez rir agora, soou sarcasmo aos meu olhos. Não seja modesto, seus escritos são providos de vida, nós podemos idealizar em nossas mentes criativas as suas palavras, montar cenas, contruir roteiros, podemos nos identificar em muitas dos escritos.
    Escreva sempre.

  • Khandinho

    Você não é escritor… Gustavo tu me fez rir agora, sarcasmo isso sim rsrsrs. Não seja modesto, seus escritos são providos de vida, nós podemos idealizar em nossas mentes criativas as suas palavras, montar cenas, contruir roteiros, podemos nos identificar em muitas dos escritos.
    Escreva sempre.

  • Luciana C.

    vc existe?

  • Ju

    “Eu escrevo porque um amigo não sabe escolher filme na locadora, programa de sábado à noite ou frutas no mercado. A namorada escolhe antes, tira o dinheiro antes dele na hora de pagar, responde ao garçom antes que ele se decida dentro de sua confusão, liga pedindo pizza (quando ela queria japonês) pois não aguenta mais de fome enquanto espera que ele acesse os emails.”

    –> é engraçado isso, antes algo que nem fazia parte das minhas possibilidades passou a ser visto em tudo quanto é parte.
    Que coisa isso dos homens passivos, que têm medo de tudo, e qualquer ação é passível de correção ou debate? E também das mulheres mandonas que cuidam de tudo sem ter ouvidos aos que em silêncio falam.

    É tudo coisa da cabeça cheia e o coração aflito…que bom que tem quem escreva sobre tudo isso!

  • Lara

    “Eu escrevo porque o casal do metrô veio do Paraíso à Vila Madalena sem se falar ou olhar. Ela magoada, quase chorando, incapaz de falar a dor. Ele confuso, querendo falar, não sabendo o que fazer para dissolver aquilo.”

    -> já vivi isso. E a energia que fica rondando a gente pra “acabar, não, manter! acabar! não, manter!” aquilo, é terrivelmente foda.
    E tem vezes que vc pode sentir a angústia do outro, a falta de… sei lá se de capacidade, sensibilidade para acabar logo com aquilo (e parece tão simples) que, por mais que vc deseje mto que ELE levante a bandeirinha branca, vc não aguenta vê-lo tão perdido, sem saber o que fazer… e vc percebe o tamanho da sua idiotice e vc mesma acaba dando o primeiro passo para matar aquela situação, geralmente, tão boba.

  • Livia

    Gustavo querido … é incrível como tudo o que você escreve me prende e me faz refletir. Entro raramente no blog, geralmente aos domingos no fim da noite, entro sempre com a promessa de que só vou ler meia hora, até que me dou conta, são 4h18 da madrugada.
    Já que li, agora quero escrever também … rs

    ‘Eu escrevo porque o casal do metrô veio do Paraíso à Vila Madalena sem se falar ou olhar.’
    Quando eu e meu ex-namorados começamos, nós reparavamos nos casais e entre outras tantas promessas, prometemos que jamais deixariamos nosso namoro chegar neste ponto …. de fato não chegou, terminamos antes! rs

    ‘Eu escrevo porque um amigo não sabe escolher filme na locadora, programa de sábado à noite ou frutas no mercado. A namorada escolhe antes,…’
    Eu pessoalmente sofro bastante com a falta de punho, de atitude masculina … quantas vezes não somos convidadas e eles não se dão ao trabalho do pensar o que fazer e ainda como desculpa soltam a já batida frase ‘tenho medo de não te agradar, prefiro que você escolha’ (para cima de mim?hahaha). Certo dia após vários encontros em que eu escolhi o restaurante, bar, etc, o cara pediu que eu escolhesse, eu quase sem paciência disse: ‘estou com preguiça de escolher qualquer coisa, pense em tudo, e faça o convite completo’ (creio que não fui tão rude assim, rs), depois do ocorrido, passei a ter preguiça não só de escolher, como também de sair com ele.

    Beijos, Li

  • isabella

    ainda bem que você escreve…!

  • Mary

    Se você não é escritor, não sei porque está perdendo tempo fazendo qualquer outra coisa.

    Homem escrever de forma correta é raro. De forma agradável e razoável mais ainda. Eu sou uma mala sem alça, crítica ambulante, capaz de detectar erro de acento e admito, li o primeiro texto e gostei. E acabei lendo vários, um atrás do outro.

    Despretensiosos, sinceros, reflexivos.

    Verdade é algo relativo, pois um relacionamento tem sempre dois lados. Infelizmente nem sempre eles se conectam. E nem sempre há um certo e um errado.

    Nem sempre ambos estão abertos, ou tem coragem suficiente para se abrir, dizer o que pensam, o que sentem o que querem o que PRECISAM. As pessoas se cerceam e se limitam sem saber o porquê. Afinal relacionamento também supre necessidades: emocionais, sexuais, de companheirismo.

    Solidão não é o mal do século. A falta de comunicação sim.

    Acho que vou até escreverum dia sobre isso.

    Atenciosamente,

  • edilaine

    oi, comecei a ler aki e nao parei mais
    vc eh um ótimo escritor… tem as palavras certas…
    td o q vc escreve faz todo sentido pra mim… pra minha vida
    estou apaixonada pelo seu blog… mto obrigada por escrever…
    beijos!!!

  • Sher

    Ainda não li todos os posts do blog. O achei por acaso, inclusive. Mas, espero não estar enganada no comentário que farei, pode ser que haja coisas assim, mas fiquei muito contente de ver que há um homem que fala de casais, que fala de amor, que fala de romantismo. Não o romantismo meloso, o clichê. Mas de como manter uma relação viva, de como conquistar, antes de tudo, o sentimento. O romantismo entre quem já se conhece há anos e de quem ainda vai conhecer. Claro que achei sexo, mas achei um sexo que também é voltado pra o casal. Um sexo entre pessoas que já se conhecem há um bom tempo. Fiquei feliz porque, até então, só via blogs de homens ensinando homens a ser cafagestes, de, pasmei, mulheres ensinando homens a ser cafagestes. De homens ensinando a fazer sua namorada terminar o relacionamento. De como “pegar” garotas enquanto a sua está em casa, achando que você está dormindo. Como se ter alguém legal ao lado, passar por dias de cansaço e de nem tanto tesão assim significasse o fim de algo maior, que é o entimento e o poder da reconquista. Parabéns, tô aqui lendo que nem doida. E feliz também pelos comentários, sem vulgaridade, vindos também de pessoas casadas, solteiras, tanto faz, mas que usam o que acham aqui para reavivar a relação. Parabéns!

  • joão leite

    Cara, tu és um ótimo ilusionista, pratica a pura arte da magia, congratuletions, sabes muito bem trabalhar em cima da carência do feminino, iludidas que são pelos condicionamentos recebidos pela mídia, a realidade é bem diferente se quiser comer muitas e muitas mulheres, função biológica do homem é fertilizar a maior quantidade de muleres que puder, é a Lei Suprema do Universo(procriar,expandir), o restante não passa de divagações, talvez para quem tenha sido doutrinado pela escola da psicologia, psiquiatria(única serventia para as mesmas são: engordar o bolso dos mesmos e dos laboratórios farmacêuticos) ou outra doutrina ensinada nas escolas doutrinárias.Procure expandir tua mente, veja que tuas certezas, talvez não sejam reais, já li que gosta de descer a lenha nos livros de auto ajuda, o segredo, a lei da atração, já verificou? constatou que não existe? porquê continuar enganando e atiçando ira contra as mulheres, tapa na cara e outras que parecem advir de gays mau resolvido, e aprovação de algumas mulheres dependentes de atenção.

  • Syl

    Adoro seu site!
    Os homens deveriam ler mais.

  • tiago

    Cara, voce mandou muito bem..

  • Gugu

    Olá Gustavo! Tenho lido sempre que posso os teus textos… e cada vez que leio, percebo o quão distante estou de ter um relacionamento bacana… mas estou lendo para colocar em prática e mudar esse quadro… Não vi Waking of Life, mas eu tenho e de vez em quando vejo Before Sunrise/Before Sunset… Ta valendo? hehehe…

    Forte abraço!

  • Paco

    Legal.

    Continue escrevendo e não pare.

    A galera agradece, e muito.

    Abraço!

  • Ellen

    Puxa!
    Vc existe mesmo! rsrrsrrs
    Entrei aqui, li um texto, outro e até agora não consegui parar, até ler esse!
    Realmente, vc está de parabéns por conseguir entender nossos sentimentos e formas de expressar o que sentimos enxergando não nossa aparência, e sim, nossa alma, nossa essência.
    Continue assim!
    Abraços