Vacuidade e impermanência nas relações

por Gustavo Gitti 23 fevereiro 2007 13 comentários

O ser que bate a porta na sua cara é o mesmo que depois lhe envia um recado: “Dança comigo?”. Chamar a pessoa responsável pelos seus maiores machucados e sofrimentos para morar com você. Isso se chama impermanência.

Ano passado fui ver 5×2 (aqui ficou O Amor em Cinco Tempos), de François Ozon. Contado de trás pra frente, a história flui naturalmente como se não houvesse um roteiro nem um diretor. É direta, sem paleativos, mas sem ser niilista ou pessimista (não é otimista tampouco). É uma lição dura essa, a impermanência. Em um momento, vemos uma cena linda de um casal dançando colado. Em outra, eles se atacam como se não se conhecessem. Não há uma cena sequer no filme no qual eles aparecem verdadeiramente felizes e abertos. Há sempre uma ansiedade, uma contração melancólica. Eles nunca estão realmente acordados e vão batendo cabeça do começo ao fim. Em maior ou menor grau de confusão, é exatamente esta a nossa história. Vivemos insistindo na crença de que algumas coisas são verdadeiramente estáveis e nossa ansiedade surge daí: no fundo, sabemos que nada é tão concreto e eterno quanto parece.

Ao pararmos de ignorar a impermanência e nos engajarmos em sua compreensão, podemos cair em dois extremos de sofrimento e frustração. No primeiro, o niilismo, desistimos de dar significado às coisas. Se tudo eventualmente acabará, qual o sentido em fazer algo positivo ou por que não matar alguém? No segundo, saímos desesperadamente para aproveitar todos os prazeres possíveis enquanto nossa vida durar. O lema “Carpe diem” define a atitude que Alan Wallace chama de “esteira hedonista”.

Tanto no niilismo quanto no hedonismo, nossa mente opera do mesmo modo, buscando felicidade em seres, instituições, fenômenos e sensações instáveis. Assim que cada elemento no qual nos enganchamos flutua, nossa mente, energia e corpo flutam junto. E lá se vai nossa querida felicidade! A diferença é que no niilismo logo desistimos quando percebemos isso – pensando que essa operação é a nossa única, e falida, opção. E no hedonismo somos mais inteligentes ao usar a percepção da impermanência para pular de um prazer a outro antes que eles cessem. Em geral, somos niilistas ao acordar na segunda-feira e viramos hedonistas ao sair do trabalho na sexta-feira…

Se levarmos a visão da impermanência até o fim, retiraremos um a um os rótulos e placas (“Permanente e fonte autêntica de felicidade estável”) que colocamos em diversos seres e objetos ao nosso redor. Quando não sobrar mais nada, inevitavelmente vamos nos perguntar: “O que então é permanente? Onde eu coloco minhas placas?”. Assim começa nossa investigação da vacuidade, dos aspectos genuinamente transcendentais de nosso ser e principalmente dos outros seres. A impermanência de todos os fenômenos construídos esconde a natureza livre, luminosa e criativa da realidade.

Ao contrário do que pensamos, a impermanência não é só responsável pelas separações e trocas constantes de parceiros, mas igualmente pelas uniões duradouras. É porque mudamos constantemente que ficamos juntos. Ou seja, eu gosto do outro não precisamente pelo que ele é mas por aquilo nele que se transforma nos vários que o habitam. É a liberdade de um que se conecta com a liberdade do outro. Nós amamos a ausência de definição do outro, não suas características marcadas e consolidadas. Não há amor na rigidez.

Os ensinamentos budistas conferem um sentido preciso ao conceito de vacuidade: ausência de existência ou essência inerente. As coisas não existem “lá fora” nelas mesmas, seu significado não é pré-definido e elas não possuem uma essência nuclear. As coisas são insubstanciais, como nuvens oníricas. Se assim não fosse, a impermanência seria impossível e estaríamos presos em um mundo totalmente pré-configurado. O fato da transitoriedade aponta para a vacuidade (a ausência de substancialidade de todos os fenômenos e seres) enquanto que a vacuidade é a condição de possibilidade da impermanência.

Podemos, portanto, dispensar a impermanência e ir direto ao insight da vacuidade. Para que esperar 20 anos para que uma relação mude? Se ela mudará em 20 anos, isso significa que neste exato momento a liberdade para isso já está presente. Essa compreensão acelera o tempo. Vacuidade é impermanência em um flash: 20 anos em um segundo. Ou ainda: para que trocar de parceiro se o atual não é definido e pode renascer de uma hora para outra?

Somente o entendimento da impermanência é pouco. Às vezes ele nos libera do sofrimento imediato por alguma situação (“isso passa”, lembramos), mas nem sempre gostamos de esperar. Se a complicação parece irreversível, logo começamos a pensar no divórcio. Porque a impermanência perde para os nossos impulsos, o remédio tem de ser mais forte. Somente a compreensão da vacuidade tem o poder de alterar essa configuração. E enfim vemos a liberdade do outro, não suas prisões e obstáculos atuais das quais estamos tentando fugir.

Vacuidade, pois o outro não existe nele mesmo, com uma essência instalada em seu interior. Ele nasce a cada momento para nosso olhar. Podemos enjaulá-lo (“ele é assim mesmo”) e reagirmos pelas operações usuais de gostar, não gostar e sentir indiferença. Sentiremos apego e desejo pelo que gostamos nele, aversão e raiva pelo que não gostamos e seremos cegos às partes do outro intocadas pela nossa indiferença. Nessa relação, os meus condicionamentos se engatam nos condicionamentos do outro. Minha teimosia ama a falta de argumentação do outro. Meu orgulho ama o complexo de inferioridade do outro. Esse conjunto de arpões constitui um casamento entre carências e medos. É por isso que aqui o ódio está a um passo do amor, como ensina a sabedoria popular: minha teimosia o ama enquanto ele não a confronta, meu orgulho o ama enquanto ele não o destrói, meu medo o ama enquanto ele me mantém segura e confortável. Ficamos trancados um ao outro em uma prisão que nos aquece no início mas que ficará cada vez mais fria e dolorosa com a ação implacável dos senhores da impermanência.

Reconhecendo vacuidade e impermanência, podemos deixar de congelar nosso parceiro. Podemos amar sua liberdade com nossa liberdade. Ele não é “assim mesmo”. Ele pode mudar a qualquer momento. Para criar e cultivar esse espaço, lembre-se que as pessoas reagem de modo diferente de acordo com o ambiente na qual se encontram. Se você estiver em um local sujo, a probabilidade de você jogar mais lixo no chão é grande, ainda que você não possua esse hábito. Nossa presença configura uma matriz de possibilidades de ação do outro, um leque de identidades que podem surgir, de personagens que o outro pode atuar. Nós podemos restringir as emoções, pensamentos e movimentos corporais do outro somente com nossos olhos! Mas nós podemos ampliá-lo, expandir seu corpo, abrir espaço para que conosco ele seja algo que nunca teve chance de ser.

Amar uma pessoa considerada “tímida” é, em um só movimento, acolher sua timidez e sustentar uma flexibilidade para que ela possa não ser nada tímida com você. Ao fazer isso, ela naturalmente sentirá que tem a liberdade de ser ou não tímida com os outros. Ela não é sua timidez, mas a liberdade criativa de poder ou não manifestá-la. Por desvincular nosso ser de nossos condicionamentos, uma breve relação virtuosa consegue liberar incontáveis relações viciadas. Anos de aprisionamento podem se dissolver com apenas um olhar de espacialidade.

Não precisamos esperar sentados pela impermanência. Aguardar o dia em que nossas identidades sejam trocadas, que nossas relações problemáticas acabem e nossas experiências se modifiquem. Não é necessário sequer esperar pela mudança dos outros. Basta que simulemos a impermanência, que nosso olhar comprima 40 anos em um segundo. Afinal, desde sempre fomos atraídos por aqueles que nos oferecem esse espaço de podermos ser diferentes daquilo que pensamos ser, que nos fizeram ser, dos personagens que cansamos de encenar.

Na verdade, nós não amamos as várias identidades impermanentes que surgem ao longo do tempo em nosso parceiro. O processo pode assim parecer, mas o que nos atrai é a vacuidade do outro, não sua impermanência. O “amor em cinco tempos” é uma farsa condenada ao fracasso. O amor genuíno não existe entre identidades temporais, mas entre vacuidades – o que o torna verdadeiramente impessoal e atemporal.

Como eu dizia, convidei para morar comigo a pessoa responsável pelos meus maiores machucados e sofrimentos. No momento em que ela entrou em casa, dava para sentir a tensão entre impermanência e vacuidade, identidades e liberdades, fixações e espaços, passado e futuro. E então ela deslizou – suspensa, sem rastros – e começou a dançar comigo ao redor de nossos medos e carências, seguindo o ensinamento de T.S. Eliot:

“At the still point of the turning world. Neither flesh nor fleshless;
Neither from nor towards; at the still point, there the dance is,
But neither arrest nor movement. And do not call it fixity,
Where past and future are gathered. Neither movement from nor towards,
Neither ascent nor decline. Except for the point, the still point,
There would be no dance, and there is only the dance.”

Blog Widget by LinkWithin

Para transformar nossas relações

Há algum tempo parei de escrever no Não2Não1 e comecei a agir de modo mais coletivo, visando transformações mais efetivas e mais a longo prazo. Para aprofundar nosso desenvolvimento em qualquer âmbito da vida (corpo, mente, relacionamentos, trabalho...), abrimos um espaço que oferece artigos de visão, práticas e treinamentos sugeridos, encontros presenciais e um fórum online com conversas diárias. Você está convidado.



Receba o próximo texto

13 comentários »

  • Cintia

    Adorei!

  • Aninha Baldani

    Pensei muito no livro A insustentável leveza do ser, do Milan Kundera! Se me lembro bem, essa coisa de vacuidade e impermanencia é bastante presente nas relações entre os personagens do livro…Vc já leu? bjos

  • Não Dois, Não Um: um blog sobre relacionamentos lúcidos » Como ser o amante de sua própria esposa

    [...] prova o que falei neste post: “Para que trocar de parceiro se o atual não é definido e pode renascer de uma hora para [...]

  • Ademir Teixeira Bastos

    Isto é a essencia do amor….

  • Amarilis

    Gostei demais! Principalmente por que ainda procuro a forma de abrir espaço para que o outro se encante com as possibilidades que guarda em si. E isso tá levando muito tempo, já que encontrei alguém fechado em paredes (objeto de outro texto seu). Com isso venho derrubando as minhas próprias, que já tinham ficando bem altas por anos de condicionamento… Tou meio perdida na indecisão se aceito entrar pela porta do desejo hedonista na vida do outro ou se assumo meu niilismo e desisto do que é dificil. Quero entender se me diminui ou se me aumenta relacionar-me com o outro nos termos colocados por ele. Velhas questões. Refazer a minha maneira de ver as coisas para caminhar no ritmo do outro e receber alegremente aquilo que ele tem pra dar, mesmo que me pareça pouco. Pois a mim também tem parecido interessante deixar que o outro conte uma história ao invés de lhe dar um prato de comida… Nessa indecisão fico um pouco contemplativa, domo a laço a minha ansiedade e espero o novo encontro que demora, aos meus olhos, uma eternidade pra se materializar…

  • Busilis

    Mto bom! Esclarece mta coisa no campo das relações interpessoais/amorosas. Particularmente, chega a ser terapeutico, pois re-conecta a consciencia com a Terra, ao invés dela ficar voando por aí desencarnada, a ter com quimeras.

  • liviaborges

    “Vivemos insistindo na crença de que algumas coisas são verdadeiramente estáveis e nossa ansiedade surge daí: no fundo, sabemos que nada é tão concreto e eterno quanto parece.” Nada é tão verdadeiro quanto essa afirmação.

  • Bia Amorim

    As vezes, tudo o que alguem espera é que em determinado momento, vc simplesmente sorria para mudar tudo novamente….

  • abraao

    se um grande amigo meu lê-se tal texto, ele o definiria com apenas uma palavra: FOdÁSTICO!!!

    pra q levar tudo tão a sério?problemas, quando aprendemos a olha-las de cima, de um ponto mais alto do que ele é, logo acharemos a solução.
    O tempo traz consigo o comodismo, esse comodismo traz a monotonia, e ela por sua vez traz nos torna seres fúteis. Que saibamos subir alto, tao alto que possamos enxergar o problema e de imediato a sua soluçao. Viva a renovação, viva o novo.

    parabéns Gustavo
    sou seu fã man…

    P.S. divulgo sempre teu blog…o mundo precisa de pessoas INTELIGENTES!!

  • Ju

    Fato: ainda vou ler algumas vezes este texto antes de considerá-lo compreendido por inteiro.

    O que me veio a mente ao ler o texto foi uma coisa que sempre penso diante dos términos de relação causados pelo medo: “será que se a relação tivesse data de validade/ prazo pra expirar, certo e definido…será que as pessoas se jogariam mais ou cascariam fora mais rápido???

    Gosto da idéia de que, não é o simples oposto que nos atrai, mas sim é “o nosso vir a ser” ou seja, aquilo que gostaríamos de ser.

    Sim, é uma reafirmação da atração pelo que nos diferencia, mas não é uma diferença qualquer, é uma atração conjunta com a idéia de mobilização interna, nesse sentido, dá “errado” quando nos num relacionamento um caminha no tal sentido e o outro “permanece”.

    Os tempos são diferentes, os caminhos nem sempre se mantém lado a lado, então, fico pensando se aqui vc não crê muito na existência de “uma” possibilidade de relação, a ser cuidada, compreendida, louvada, sentida… ao invés de vivenciar a própria impermanência (ainda vou ter que entender melhor a tal vacuidade) de si mesmo, das coisas e dos fatos. Vivenciar a aceitação de que nem sempre é possível “continuar”, mesmo que mudando, transformando…

    Às vezes uma situação serve pra gente ser melhor em outra e não pra ficar sempre tentando melhorar aquela mesma relação…eternamente…

  • Daniel

    Belo artigo Gitti, muito bem escrito, articulado e fundamentado.

    Anyway, é difícil chegar a esse nível de profundidade não é não?

    Até mesmo, se a vida não pregar nenhuma surpresa que nos faça realmente olhar a fundo as coisas para identificar como elas realmente são e verificar a sua verdadeira natureza, não estamos todos fadados a viver de uma maneira condicionada por identidades temporárias, como você diz, e de uma maneira ou de outra em relacionamentos não virtuosos?

  • Gustavo Gitti (autor)

    “se a vida não pregar nenhuma surpresa que nos faça realmente olhar a fundo as coisas para identificar como elas realmente são e verificar a sua verdadeira natureza, não estamos todos fadados a viver de uma maneira condicionada por identidades temporárias, como você diz, e de uma maneira ou de outra em relacionamentos não virtuosos?”

    Daniel, sim, aparentemente, sim. ;-)

  • Paula A.

    Obrigada Gutti.

Deixe seu comentário...

Se for falar de seu relacionamento no comentário, seja breve, não cite nomes e não dê muitos detalhes, caso contrário não será publicado. Lembre-se que não há nenhum terapeuta de plantão.