Por uma vida encarnada: breve crítica aos relacionamentos sem corpo

por Gustavo Gitti 19 May 2008 55 comentários

Angelina Jolie - Boca

“Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.”
Manoel de Barros, em O Livro sobre o Nada

A primeira parte desse texto serve apenas para contextualizar as duas seguintes. Os apressados pragmáticos podem seguir diretamente ao que interessa.

A mente é o corpo pensando

Nos últimos tempos, estou sentindo aversão a discursos românticos, interpretações filosóficas, teorias sobre relacionamentos e tudo aquilo que se adiciona ao fato cru do simples viver. Textos maravilhosos não me movem, meus posts antigos soam artificiais, livros não passam de jogos semânticos estéreis. Quero distância de sentimentalismos, bla-bla-blás, explicações de qualquer tipo. Caminho pelo outro lado da poesia: às vezes uma árvore é apenas uma árvore. Novamente, o gênio Manoel Barros:

Que a palavra parede não seja símbolo
de obstáculos à liberdade
nem de desejos reprimidos
nem de proibições na infância,
etc. (essas coisas que acham os
reveladores de arcanos mentais)
Não.
Parede que me seduz é de tijolo, adobe
preposto ao abdomen de uma casa.

Toda boa crítica mira, antes de tudo, o passado daquele que a desfere. Sempre que encontrar alguém dilacerando uma certa idéia, tenha certeza de que ele já foi um forte defensor da mesmíssima visão atacada. Ou, pior, ele inconscientemente ainda a mantém e a reprime por meio do discurso público sobre quem gostaria de ser (na esperança de que exaltar o ideal desvie os olhares do real). Ora, a crítica se faz completa e detalhada justamente por isso: ninguém melhor para falar do pecado do que o próprio pecador. Desconfiem, portanto, desse texto. Eu pertenço ao segundo tipo de críticos. ;-)

Durante toda a minha vida, vivi mais o mito que o fato, mais a poesia do dia seguinte e menos o tesão do momento. Só recentemente peguei gosto pelos gingados do corpo… E então descobri o toque como o mais sofisticado dos conselhos, a conexão espiritual que vem do cheiro, a racionalidade pós-kantiana do instinto. Somos muito mais animais do que pensamos ser. Daí meu interesse em escrever sobre como meu corpo se move sobre a inveja, arrependimento ou sobre a própria mente, em vez de descrever meus pensamentos e filosofias sobre tais questões.

Tal inversão ganhou reconhecimento mundial somente nas últimas décadas – ainda que seja a continuidade natural do pensamento de Espinosa, Nietzsche e Merleau-Ponty – com o trabalho do biólogo Francisco Varela e seus parceiros (dos quais destaco Evan Thompson). Livros como Knowing Bodies, Moving Minds (“Corpos que conhecem, mentes que se movem”), Philosophy in the Flesh (“Filosofia na carne”) e A Mente Incorporada sustentam, a começar pelos títulos, as idéias de que a mente é uma ação corporal, a cognição se dá pelo corpo e o conhecimento humano só faz sentido se for incorporado.

E não só na filosofia ou na ciência. Se procurarmos pelo estado mental mais elevado, descobriremos que até mesmo o auge da prática espiritual não tem nada a ver com almas ou espíritos. No Budismo Vajrayana, o fenômeno da liberação de todos os condicionamentos é conhecido como corpo de arco-íris (jalü ou rainbow body). Todos os elementos impermanentes são dissolvidos na base última e atravessados pela luz que não é senão sua própria substância. Isso não é raro; isso é muito raro! Nos poucos casos ocorridos (eu sou cético, só acreditarei com mais evidências), diz-se que o meditante pede para ser deixado a sós em um casebre e dias depois as pessoas ao redor são surpreendidas por uma explosão luminosa dentro do local, que solta fachos de luz por todas as frestas. Ao abrir a porta, encontram apenas roupas, dentes e cabelos.

Ainda que saibam que o treinamento espiritual começa e termina no corpo, alguns espiritualistas new age insistem em ignorar sua importância. Inscrevem-se para workshops e ficam horas sentados vendo slides sobre samadhi, animais de poder e psicologia transpessoal. As apostilas e certificados infelizmente não impedem que o organismo continue engordando e se arrastando rumo a uma suposta iluminação além do corpo. Não é por acaso que uma das práticas que mais fazem sucesso atualmente é chamada de “experiência fora do corpo” (out-of-body experience, OBE ou projeção/viagem astral), que nada mais é do que uma interpretação espiritualóide para um fenômeno bastante natural do próprio corpo: o sonho lúcido.

Da sensação mais grosseira ao sentimento mais etéreo e transcendental, absolutamente tudo se passa e se expressa no corpo. Não há como escapar disso. Ou melhor, é justamente por ignorarmos a corporeidade que sub-vivemos, que não conseguimos avançar na própria racionalidade ou na espiritualidade – vista, como uma miragem, em uma alma além do corpo. Espiritualidade desencarnada, filosofia desincorporada, pensamento sem tesão, palavra sem carne… Eis alguns nomes para a doença que, quando contraída a dois, degenera grande parte dos relacionamentos amorosos.

Relacionamentos sem corpo

O que na filosofia ganha efeitos meramente acadêmicos, nos relacionamentos pode resultar em muito sofrimento ou várias brochadas (i.e., o que poderia mas não acontece). Pior que amor não vivido é aquele mal vivido.

Ele passa a noite toda hesitando em dançar. Ela percebe seu desconforto e pára de insistir. No dia seguinte, ele envia um email carinhoso descrevendo seus sentimentos por ela. Um texto que reencena poeticamente o melhor beijo da noite e, ao fazê-lo, tira o foco do fato cru: ele não conseguiu expressar todo esse amor durante a noite.

Ele lê Vinícius e Whitman para ela ao telefone. Seu desejo vira flores, jantares e SMS de madrugada. Ela se envolve e se entrega, até que enfim tira a roupa. O menino poeta agora não mais tem palavras em mãos. Ele tem as próprias mãos. Com pé, boca e pele, qual poema sai? Frustrado, descobre que não sabe bem como conduzir o quadril dela do mesmo modo que movia seus pensamentos à distância.

Uma relação pode até começar com uma metáfora, mas o amor não se vive como metáfora. Uma história a dois se inicia quando ambos compartilham sonhos, quando a aventura mitológica de um encontra espaço no caminho poético do outro. Porém, enquanto o prelúdio amoroso é conotativo (“Você é como uma…”; “Quando digo isso, quero dizer…”; “Esse CD simboliza aquela noite…”), a vida da relação é denotativa: “Quando eu beijo você, isso significa que eu beijo você”. Durante a conquista, podemos penetrar o outro com palavras. Isto porque o ato de sedução é uma espécie de promessa de relacionamento. No meio do namoro, entretanto, para penetrar o outro é preciso realmente penetrar o outro. Só o corpo é capaz da verdadeira poesia: dizer aquilo que de fato se quer dizer.

Entre o macrorelacionamento do mito e o microrelacionamento do detalhe, mais importa o segundo, a expressão, a explosão viva do que adormecia no potencial dos arquétipos. Seu amor por ela não está no sonho que vocês constróem há anos, na conversa após a briga ou na história que você conta a si mesmo. Seu amor por ela inexiste na memória. Ele está sempre naquilo que você faz agora, só aparece quando exercido e praticado. Amor é ação. Presença.

Energia sem nome, força sem rosto. Vida crua, livre de discursos, adornos, memórias ou associações. Vontade avassaladora, direta, anterior às metáforas e significações. Fato vivido, que dispensa emails posteriores. Prosa deitada, sem poesia.

Quando não nos relacionamos com o corpo, deixamos desejos perdidos em sublimações desencarnadas. Gastamos energia, nos esforçamos e ainda assim deixamos de viver tudo o que podemos. Afinal, declamar poema nunca engravidou ninguém. Além de não viver, abrimos espaço para a dor. O que é brigar senão perder o contato com os próprios pés? Observe um casal em discussão e veja como ambos parecem pairar sobre suas cabeças, um tentando voar mais que o outro. Atente para si mesmo durante uma briga e sinta como você perde completamente o contato com o próprio corpo. Eis o outro lado do romantismo desincorporado.

Para uma relação encarnada

Não aceite sentimento algum (seu ou do outro) que não seja uma sensação corporal. Desconfie de visões espirituais que não surjam acompanhadas de percepções sensoriais. Ignore pensamentos que não impliquem em posturas e posições do corpo. Abandone conversas em que ninguém esteja dançando. Evite compensações e substituições para seus desejos amorosos – seu impulso de invadi-la, desrespeitá-la, penetrá-la de todos os modos; sua vontade de ser perscrutada, rendida, atravessada.

Por meio de práticas corporais (ioga, tai chi, kung fu, esportes, meditação, artes), aprofunde sua relação com o corpo. Sinta não apenas seu corpo, mas a corporeidade dos outros. Toque o corpo do mundo. Aprenda novos movimentos, gestos, olhares. Jeitos de pegar e conduzir; modos de se soltar e se entregar. Experimente segurar um pouco mais forte. Entorte, desentorte, se demore mais.

Use seus dedos para dançar com a mão dela. Esfregue seus pés nele. Faça massagem de perna com perna, braço no braço. Delicie-se com o colo, aquele universo imenso que existe entre o pescoço e os seios dela.

Use todas as emoções negativas como meios hábeis para abrir e amar o outro. Se ela o deixou nervoso por não ter conversado com seus amigos bêbados e fumantes, não discuta, não apele para a mente. Respire sua raiva e deixe que ela mova seu corpo em direção ao dela. Pressione o peito dela contra o seu, mostre que você a ama, que ela pode se soltar nas mais desconfortáveis situações porque você está ali, presente, com ela. Leve para cama sua decepção com o mundo, seu fracasso. Engula e transforme seu dia inteiro na fúria mansa que vai entrar no corpo dela. Use sua vida para amplificar o amor que você esfregará naquelas curvas.

Se ele se distraiu, errou e decepcionou você e sua família, não inicie uma luta de argumentos, não use a mente. Coloque sua raiva nas mãos e bata nele. Dê um tapa na cara, tire-o dessa sonolência, libere seu torpor. Use seu corpo para ativar o corpo dele. Deixe-o vivo. Esfregue-se até que ele abra os olhos, peça desculpas e saiba o que fazer, até que ele retome seu direcionamento. Vá para a cama com suas dúvidas e contrações. Deixe que ele a veja assim, cheia de você mesmo, e sinta uma vontade irresistível de percorrê-la inteira.

Uma história de amor talvez seja a tentativa – sempre fracassada – de viver com o corpo aquilo que certa vez fantasiou a alma. Mas não precisa ser assim. Aquilo que o próprio corpo fantasia parece bem mais rico. E possível.

O que não sei lhe fazer com o corpo, guardo em minha mente. O que não sei tocar, lamber ou deslizar, penso. Com isso, ora vou disparar bla-bla-blás românticos, ora vou brigar em argumentos infindáveis. Mas e se eu conseguir falar com os lábios? E se lhe pedir para me escutar apenas com sua boca?

Blog Widget by LinkWithin

Para transformar nossas relações

Há algum tempo parei de escrever no Não2Não1 e comecei a agir de modo mais coletivo, visando transformações mais efetivas e mais a longo prazo. Para aprofundar nosso desenvolvimento em qualquer âmbito da vida (corpo, mente, relacionamentos, trabalho...), abrimos um espaço que oferece artigos de visão, práticas e treinamentos sugeridos, encontros presenciais e um fórum online com conversas diárias. Você está convidado.



Receba o próximo texto

55 comentários »

  • Deborah

    Gitti, essa sua reflexão tem muito a ver com algumas coisas que eu venho pensando. Saí de um relacionamento feito quase só de palavras, e agora parti para outro, carregado de corporalidade.

    É impressionante como os sentimentos parecem mais intensos, como a paixão parece mais avassaladora, quando a gente se comunica com o corpo, quando cada toque e cada gesto adquirem um significado.

    Manuel Bandeira já falava lindamente disso em “A Arte de Amar”:

    “Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.
    A alma é que estraga o amor.
    Só em Deus ela pode encontrar satisfação.
    Não noutra alma.
    Só em Deus — ou fora do mundo.
    As almas são incomunicáveis.

    Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.

    Porque os corpos se entendem, mas as almas não.”

    Eu hoje penso isso: a comunicação entre as almas começa pela comunicação entre os corpos, e se os corpos não se entendem, não há transcendência que possa fazer as almas se comunicarem.

  • Nati

    Gitti,

    Adorei seu texto. Simples, extremamente proveitoso.
    Antes não tinha esta percepção à respeito do corpo, e desde que comecei a ler seus textos, passei a, tentar pelo menos, perceber o que acontece com ele durante meus sentimentos, meu, dia, meus momentos.
    É bem bacana. Não tão simples, mas extremamente proveitoso.

    Lindo lindo texto!

    Beijo

  • fabiana

    depois do fim de uma relação, comecei a meditar e saí da terapia. esse novo exercício me deu mais um caminho para o amor: deixei a verborragia de lado (ou quase) e sinto meu corpo muito mais perto dos meus sentimentos. aliás parando pra pensar, o que levamos das relações não é somente o físico, o real? – é tudo que experimentamos com o corpo para expressarmos nosso amor, não é mesmo? – eu pelo menos, mal me lembro dos bate-bocas e discussões; mas ficou nítido os carinhos, os passeios, os silêncios profundos na hora do jantar…

  • Mulher Solteira

    Seu post varreu todas as palavras da minha mente.

    A única coisa que me ocorreu vagamente foi “caralho, sou cada vez mais fã desse cara”.

  • Bruno

    auhauahau preciso ler umas 3 vezes pra entender certinho =/ (19) anos
    aah sobre seus texto, quando vc demora pra postar coisa nova, eu releio sempre eles ;D
    é sempre difícil de entender com apenas uma leitura. Mas adoro eles !

  • Thiago

    sem palavras. novamente destruiu alguns conceitos e mostrou que eram errados.

  • Fernanda

    Como podemos chamar para dançar e nem mesmo sair do lugar, não é mesmo, Gitti? E quando uma pedra é só uma pedra…
    Tantas questões que acabam não sendo questões quando paramos de somente nos comportar nas situações e agimos.
    Vivi este blá-blá-blá e acabei me culpando por pensar que eu tivesse montado este castelo de areia sozinha, mas como sabemos, as palavras desarmam as pessoas e daí falar passa a ser crueldade.
    um beijo e parabéns por este incrível texto. Toquemo-nos!

  • kelly

    Gustavo,
    Quando me perguntou qual o texto que mais gostei, não soube responder. Bom, até o momento, esse com certeza – pelo menos pra mim, que não te conheço, te tornou mais ‘real’. É muito bom sacudir a poeira, coisa que me parece que você e a Alessandra resolveram fazer na mesma época.
    Me identifiquei muito mais com esse post do que com os outros, o que não torna os antigos artificiais. Na verdade, acrescenta e complementa. Ao contrário da Fernanda, eu vivi muito menos o blá-blá-blá, então encontro em alguns dos seus posts antigos, no sentimentalismo, e etcs o que me falta…

  • Giseli

    Cara, você manda realmente muito bem, e suas idéias vão bem de encontro ao que eu venho vivendo. Já tive muitos um tesão intelectual, mas nada se compara às conversas sem palavras e ao contato físico repleto de amor, e de tudo o mais. Por isso, sou contra discutir o relacionamento, permanentemente. Vou passar aqui, sempre. beijos

  • Rafael Galvão

    “Quando eu beijo você, isso significa que eu beijo você”.

    parabens por essa frase e principalmente pelo texto inteiro,muito bom msm

  • kamikaze

    Pow Gustavo,
    como consegue escrever dessa forma?
    Como o Thiago disse: “novamente destruiu alguns conceitos…”

  • Girassol

    Que alívio ler isso! O prelúdio ser conotativo e a relação denotativa é uma colocação genial!
    É isso. As vezes uma árvore é só uma árvore e isso não é cruel, é verdadeiro e bonito também. Crença estranha essa, romântica, que nos alimentaram que o real e cru é feio, é frio, é ruim. Que a espiritualidade deve ser algo tão “elevado” que ignora o corpo. E depois não sabemos pq sofremos tanto há séculos, com tanta repressão. Penso que a palavra-chave seja sempre integração, senão pendemos entre as faces de uma mesma moeda…

    Vou te confessar uma coisa, essa percepção de corpo veio bem mais forte pra mim depois que peguei gosto pela dança em dupla (e vc tem mérito nisso meu caro). Não tem como escapar de si mesmo nem do outro. E se você não foge, a percepção fica encarnada, de verdade.

    E chega de blá-bla-bla

    P.S: Continuo indicando o filme Dolls.

  • iara

    rapaz!
    texto profundo e brilhante!
    o que me tocou mais foi a primeira parte em relação a crítica…sabemos criticar muito bem exatamente aquilo que conhecemos em nós mesmos,o pior de nós e que tentamos superar todos os dias…
    mas principalmente por me explicar a minha frustação por não exercer o romantismo na forma de palavras e gestos medidos, calculados, tipo filme sessão da tarde!
    porque em mim amar está na pele e nos pequenos gestos do dia a dia, na coisas mais comezinhas, no abrir mão sem pesar e sem cobranças, e na carne …literalmente…na pele onde o sinto entrar na minha mente e coração..aí sim sei ser romântica!

    bjs

  • Ana

    Adorei!
    Tenho pensado muito nestas questões e achei perfeito a forma como vc relacionou as formas de relacionamento. Acho que a palavra é intenção. O toque é ação. Com o toque é impossível mentir.

    Falei nisso em muitos posts, mas, reconheço, sem a clareza que li nas suas palavras. Tenho apenas intuições, indicações e muitas dificuldades.

    Meu corpo viraria SOL:
    http://roccana2.blogspot.com/2008/04/sol.html

  • Srta. Rosa

    Apesar da malcriação de vocês em me deixarem de fora da Cabana, você tirou o meu fôlego com esse texto, hehe, adorei.

    Bezzos, querido!

  • Daniel

    Não gostei de nenhum dos seus textos, até agora…
    Torne o que escreveu sua religião, e verá como é bom viver, mesmo sem a pretensão de ser para sempre.
    Abraços!

  • Thiago

    Pensei melhor, refleti e… não concordo com tudo.

    Acho errado o conceito de ter aversão a palavras, textos românticos, etc..

    Vc deve namorar (não sei, mas suponho que sim).. Portanto não precisa mais dizer palavras bonitas pra reconquistar sua dama a cada dia, pode fazer isto com o corpo…

    Mas não podemos chegar numa estranha e dançar com ela, simplesmente.. Aliás, muitas pessoas nem encontram suas pretendentes em festa, não há essa opção..

    As únicas opções são: as palavras.

    Quando disse:
    Ele lê Vinícius e Whitman para ela ao telefone. Seu desejo vira flores, jantares e SMS de madrugada. Ela se envolve e se entrega, até que enfim tira a roupa. O menino poeta agora não mais tem palavras em mãos.

    Talvez ele não chegasse tão longe se não fossem as palavras que ele disse a ela.. a verdade é que palavras também conquistam. Aliás, elas fazem o papel preliminar, o resto é com o corpo.

    Se o corpo não corresponde à altura, é outro problema.

    Abraço!

  • Gustavo Gitti (autor)

    Thiago, eu não sei do que você discordou. E, mesmo se eu tivesse negado 100% as palavras (o que não fiz, leia trecho abaixo no qual antecipo essa crítica), cada texto enfatiza um ponto dos relacionamentos. Ele não é final, ele apenas aponta algo. Ora aponto o corpo, ora a metáfora. Ambos são importantes, mas pendemos por esses extremos, então é bom enfatizar um (quase ignorando o outro) num blog como esse.

    O trecho que mencionei (que acaba com qualquer discordância sua, pelo que você mesmo escreveu) é:

    < >

  • Gustavo Gitti (autor)

    O trecho:

    “Uma relação pode até começar com uma metáfora, mas o amor não se vive como metáfora. Uma história a dois se inicia quando ambos compartilham sonhos, quando a aventura mitológica de um encontra espaço no caminho poético do outro. Porém, enquanto o prelúdio amoroso é conotativo (”Você é como uma…”; “Quando digo isso, quero dizer…”; “Esse CD simboliza aquela noite…”), a vida da relação é denotativa: “Quando eu beijo você, isso significa que eu beijo você”. Durante a conquista, podemos penetrar o outro com palavras. Isto porque o ato de sedução é uma espécie de promessa de relacionamento. No meio do namoro, entretanto, para penetrar o outro é preciso realmente penetrar o outro. Só o corpo é capaz da verdadeira poesia: dizer aquilo que de fato se quer dizer.”

  • maria do carmo moherdaui

    faz sentido.Mas…existem outras formas de sem amar, gosto variedades; vc não?

  • Thiago

    É.. entendi, enfatizou o corpo neste texto.

    ‘Durante a conquista, podemos penetrar o outro com palavras. Isto porque o ato de sedução é uma espécie de promessa de relacionamento.’

    não havia prestado atenção nisso.

    você correto, again! :)

  • Busilis

    Mto interessante. Mas o mais interessante foi que tudo isso foi dito com palavras, e não com o corpo…e foi entendido pela mente, e não com o corpo. Acho que o texto, mto bem escrito, investiga um pouco da frustração que costuma ocorrer nos relacionamentos, mais baseados em sonhos quiméricos do que em fatos reais e vividos. Mas será que a “culpa” é das palavras e da mente? Será que a inserção do corpo soluciona todos os problemas? Penso que não, não dois, não um. Mas claro, criticar um texto crítico não é lá mto simples. Mas gostei, embora ainda ache que uma boa dose de poesia e romance não fariam mal a ninguém…

  • Gabriela Galvão

    Aih no joguinho d sedução, o cara diz q eu vendi a minha alma a ele e q ele qq dia vem buscá-la (foi ambpiguo, ñ deu p/ entender se buscar a mim ou à minh’alma). E eu: “Eu sou uma desalmada, mas se estiver falando da carne…” Am… Cansei d um monte d coisa. Mas d beijos, cafunés, olhares demorados, fungadas no cangote, esfrega-esfrega, …, meu caro… Nani!!!

    ; ) (Mais coicidências, mais a falar, mas parar por aqui.)

  • Flavio

    Entrei nesse site por acaso procurando dicas para se ministar uma boa palestra motivacional e olha so’…li algo que me fez pensar e concordar…
    Essa parte de que o ato da seducao e’ uma promessa de relacionamento….e’ realmente interessante e se todos pensarem…verdadeira; afinal….quem nao tenta seduzir com palavras pra tentar o que realmente vai em mente?

  • Gustavo Gitti (autor)

    Flavio, sobre a promessa, leia isso:

    http://nao2nao1.com.br/o-amor-e-filme/

  • Como deixar ousada até a mais santinha - Parte II — A Revista Papo de Homem - Lifestyle Magazine

    […] soltos. Para liberar o feminino, delicie-se com ele. Desfrute, deguste, sorva, abunde-se, frua, devore uma mulher. Ela é inesgotável: quanto mais você sugá-la e movimentá-la, mais ela terá a […]

  • maria flor

    Não sei o que dizer. Apenas tenho a certeza de que toda essa filosofia está muito além de mim. Sempre digo que sou corpo, mente alma e coração, mas eu minto. Sou mais mente do que as outras partes. Posso fazer um pedido: por onde começo?

    beijocas!

    Flor

  • Gustavo Gitti (autor)

    Maria Flor, comece deixando de ler meu blog sábado à noite. Já é um ÓTIMO começo isso.

    Eu to saindo pra uma festa que chama ODARA (http://br.youtube.com/watch?v=CTeggOmZE2A). Se for de sampa, tá convidada! Pra infos, procura por “odara” “salvador dali” no google. Bjo.

  • maria flor

    Obrigada Gustavo! Pelo conselho e pelo convite. Considerando que estou muito distante de São Paulo, o que faço por aqui? Acho que também não devo ler o seu blog num domingo à tarde…

    beijocas!

  • Franklin

    Vi um post seu no pdh gostei, e acabei aqui..
    acabei de terminar um relacionamento ontem, e nunca me identifiquei tanto com um post..

    Parabens.

  • Juliana

    Um comentário sobre o final: engraçado o homem deve engolir a raiva e atacar a mulher (no bom sentido),enquanto a mulher pode dar uma tapa na cara dele(aliás nascemos com esse direito!).
    Não estou querendo dizer que mulher deve apanhar, só gostaria de comentar como é interessante a força da educação que recebemos.
    Enfim.. fora esse comentário fica o elogio para o texto e para o autor também.

  • Gustavo Gitti (autor)

    Juliana, concordo! Tanto que, em outros textos, falo sobre bater na cara da mulher. Tem todo um contexto, mas enfim: acho isso uma coisa que todo homem deveria fazer pelo menos uma vez na vida.

  • buá

    e quando se mora longe da pessoa amada? =(

  • Conversar, discutir e melhorar a comunicação é realmente o segredo de um bom relacionamento? | Não Dois, Não Um: Um blog sobre relacionamentos lúcidos

    […] pode ocorrer por qualquer linguagem. De fato, a maior comunicação se dá de modo não-discursivo: com o corpo, com emoções, com energia virtual, com postura, olhares, respiração, toque, em meio ao silêncio que permanece até mesmo na presença de palavras e conceitos. Ainda que […]

  • Para além de bebidas, mulheres e dinheiro: o que é um grupo virtuoso de homens? (ou Sobre a Cabana PdH) | Revista Papo de Homem - Lifestyle Magazine

    […] vezes também me dirijo aos homens. Já escrevi sobre como tratar mulheres com fome e raiva, sobre o poder do corpo, dança de salão, homens sensíveis e machões, prática de liberdade, profundidade e […]

  • Deivid Sampaio

    Gustavo,

    para experimentar (e vivenciar) ainda mais seu corpo, o encontro com o corpo do outro e tocar o corpo do mundo como você mesmo disse, experimente fazer BIODANZA (ou BIODAÇA). Você vai sentir-se cada vez mais livre e descobrir seu corpo como fonte inesgotável de prazer.

    Belo texto e tomara que você sofra mais desse Complexo de Bukowski e coloque aqui tudo o que seu corpo diz!

    Abraxxx

  • Gustavo Gitti (autor)

    Deivid, fiz biodança aqui perto de casa uma vez com a principal professora (não gosto do termo “facilitadora”) no Brasil. É a tradutora das obras completas de Jung, uma senhora linda. Marlise / Maria Luiza Appy. ;-) Conhece?

    Atualmente me dedico à TAKETINA (www.taketina.com). Algo bastante diferente pois envolve polirritmia e vocalizações.

    Valeu pelo comment.

    Abs!

  • David Jorge

    Ora bem para ja começo por dizer que nao costumava ler o seu blog. Um amigo meu aconselhou me este post especificamente por estarmos a ter uma discussao filosofica relacionada com o relacionamento humano . Em modos mais resumidos, ele viu a perspectiva cientifica (biologica quase ) da coisa e eu vi a perspectiva sociologica e mais digamos “humana” da coisa, por acreditar que o ser humano não é matematizavel.

    Contudo acho que ele para defender o ponto de vista que teve descontextualizou por completo este post (que supostamente seria para comprovar o que ele disse). No entanto não é isto que interessa e passo já ao comment em concreto.

    Falarei do que concordei primeiro:
    Concordei especialmente com os ultimos dois pontos da sua reflecção. Uma relação é impossivel existir se se basear simplesmente em actos poéticos e palavras. Estas realmente por muito bonitas que são, não expressam verdadeiramente o amor. Esse amor manifesta-se na minha opinião na vontade eximia de dar prazer ao outro e esse é um prazer que tem de transcender o carnal mas se não passar por ele nada feito.

    Agora o que não concordei:
    Acho francamente que o ultimo paragrafo da primeira parte do texto é algo que nao concordo-

    “Da sensação mais grosseira ao sentimento mais etéreo e transcendental, absolutamente tudo se passa e se expressa no corpo.
    Não há como escapar disso. Ou melhor, é justamente por ignorarmos a corporeidade que sub-vivemos, que não conseguimos avançar na própria racionalidade ou na espiritualidade – vista, como uma miragem, em uma alma além do corpo. Espiritualidade desencarnada, filosofia desincorporada, pensamento sem tesão, palavra sem carne… Eis alguns nomes para a doença que, quando contraída a dois, degenera grande parte dos relacionamentos amorosos.”

    Efectivamente é verdade. Todas as sensações se passam no corpo. Não somos seres meramente metafisicos vendo bem. Mas uma coisa que não concordo é deixar que esse “pensamento com tesão” domine geralmente a ordem da acção. Especialmente quando se fala de inicio de relacionamento. Acredito sinceramente que o inicio de uma relação, para esta ter sucesso, convem que parta especialmente de uma vontade que advem da correspondencia de personalidades e do dito “amor” do que propriamente da atracção. A atracção engana bem mais que o dito pensamento poético. Acho até que se deve desconfiar de qualquer sentimento sensorial que venha desprovido de sentimento poético por assim dizer, isto porque o sentimento sensorial relacionado com as relaçoes entre seres humanos, é o que mais enganos nutre

    De resto estou em total concordância com o que disse, especialmente porque desmistifica bem a ideia que vi muita gente a tentar ter que era da relação sem o sexo, sem a sensação fisica.

  • Safira

    Gustavo,

    Fico admirada de um homem estar tão adiantado na compreensão do Amar e de como entrosar masculino e feminino. Viva! Que haja cada vez mais homens assim.

    Só estranho você colocar a penetração – desejada e consentida – como desrespeito. Como quando escreve “seu impulso de invadi-la, desrespeitá-la, penetrá-la de todos os modos”. Se a mulher quer, espera e anseia por ser tocada e penetrada, não fazê-lo é que é o desrespeito…

    Sa

  • Validation (Kurt Kuenne | 2007): o curta que eu queria ter feito | Não Dois, Não Um: Um blog sobre relacionamentos lúcidos

    […] passei um bom tempo sem tolerância a declarações românticas. Qualquer postura feliz demais, sorridente demais, qualquer pessoa “alto astral” já […]

  • Sandra

    Nossa! Você é sensível. Adorei seus textos! Muy corajosos… não se fazem homens assim. Parabéns!
    By the way, qual é o seu signo?… isso que paira sobre as cabeças, rodando no astral mas que faz corpo na cadencia do tempo….
    A dança…

    Vim para aqui pesquisando sobre a inveja… adorei as soluções criativas do corpo em movimento.

  • Érica

    Boa Noite,

    Adorei seu texto… ele é ótimo quando o lemos meia depre… Agora mesmo estava desanimada da vida mas ele me levantou o astral!

    Obrigada… Continue assim escrevendo coisas tão lindas e inspiradoras para pessoas, vc faz o dia de uma pessoa melhor e nem tem idéia de como vc tem o dom da palavra digamos assim…

    Alias li um monte de seus textos hoje e todoss são muitOOO bOOnsss

    Beijos

  • Paty

    Fiquei minutos parada encarando a tela de meu computador, tentando encontrar palavras que possam exprimir todas as questões que borbulham em minha mente após ler este texto. Creio que não conseguirei expressar tudo aqui, muito menos hoje…então passo para agradecer. Agradeço pela oportunidade de ler todos seus textos. Aproveito para te implorar que nunca pare de escrever…

    abraços,

  • Liane

    Amei!!! muito muito muito obrigada pelo sentimento maravilhoso – um misto de paixao, raiva, certeza, lucidez, orgulho…- que despertou seu texto em mim!!! Valeu!!

  • Isabela

    Genial! Sem palavras para esse texto! Obrigada pelos ensinamentos.

  • Cristiane

    Descobri ontem seu site e estou gostando muito de tudo que tenho lido. Você escreve muito bem, de todos os ângulos: gramática, estética, conteúdo, clareza, enfim…

    Esse texto é incrível e focaliza uma parte realmente por vezes esquecida ou preterida nos relacionamentos, todos, não somente os amorosos. Muito importante uma leitura que nos torne aware de algo que está subentendido.

    Tem me proporcionado ótimas reflexões e agradeço por isso.

    Abraços!

  • Elaine

    Ouvi certa vez de alguém ligado aos esportes: “quem ganha comemora e quem perde, explica”. Nós costumamos explicar demais aquilo que consciente ou inconsciente sabemos que foi “perder o jogo” no amor. Um momento físico que poderia ser tudo o que se desejou com toda a alma que se perde precisa ser explicado, senão a gente não aguenta, né? E aí vem todo o blá-blá-blá… ;)

  • Isadora

    Gustavo

    Certamente um de seus melhores textos.

    Excelente! Fico muito grata de lê-lo.

    Um beijo.

  • Aline

    Você vai acabar com a memória do meu computador!
    Tudo, absolutamente tudo o que leio nesse blog eu quero salvar pra reler mais tarde!
    Demais… você me faz querer fazer filosofia. xD

  • Maycon

    Nossa, sem comentários… eu passei por uma situação dessas faz poucos meses… uma briga entre corpo e a mente. Resolvi dessa vez escutar a mente. Pensando nos meus planos para o futuro, mas o corpo sofreu com isso… hoje achoq ue foi melhor, mas deixou uma marca no meu corpo, sim.

  • Paulo Cesar

    Seu comentário é bem formulado mas apenas chove no molhado. Não precisaria ir a tanto para descobrir ou constatar que o ser humano entra inteiro em qualquer coisa de sua vida ou não está fazendo nada.E isso também é uma opção. Às vezes uma doença aprendida. Quem conhece o ser humano?

  • Luziana

    E’ isso… E’ que nem sempre a Sherazade funciona e nem sempre o Sultao quer ouvir. Contrariando deliciosamente o velho ditado: E’ conversando que se entende.

  • Rosendo

    Falar assim e nada ficaria esquecido, incompreendido ou sem sentido. Perfeito, perfeito, perfeito.

  • denise

    Texto incrível, tem um frase do Eduardo Galeano que casa bem com tudo o que você escreveu,

    “O corpo não é uma máquina como nos diz a ciência. Nem uma culpa como nos fez crer a religião. O corpo é uma festa”