O primeiro beijo eu dei no Natal dos meus 23 anos

por Gustavo Gitti 23 December 2008 29 comentários

MonaLisa

Natal e réveillon, para muitos, podem ser marcadores simbólicos no calendário, estratégias capitalistas para aumentar o consumo ou simplesmente época para beber e tentar pausar a vida. Mas o fato é que as pessoas ficam mesmo mais abertas. Aquele relacionamento travado que vinha sendo empurrado, é perto do Natal que fica claro: “Eu não quero passar o Natal assim, sofrendo. Eu vou acabar com ele”. Ou aquela garota com a qual você não consegue assumir o relacionamento que todos ao redor já sabem que existe, chega a perspectiva de um ano novo e rapidamente ela recebe um olhar sem dúvida. Esta semana vi algumas decisões assim. Por isso “Natal e relacionamentos” foi a primeira coisa que pensei quando me convidaram a contar uma história de Natal.

Logo me lembrei do dia 26 de dezembro de 2005, quando dei meu primeiro beijo. Cronologicamente (esse modo equivocado de medir a vida), eu tinha 7 anos na primeira vez que coloquei a língua dentro da boca de uma menina. Debaixo da escada, minha prima e eu queríamos saber o gosto de nossas línguas. Não era Natal e eu não gostei de nada daquilo. A segunda vez, com 10 anos, na 5ª série, também não era Natal, mas eu gostei da brincadeira e comecei a me aventurar com as meninas mais velhas da 7ª e da 8ª.

Um beijo, no entanto, nunca aconteceu. Desde os 10 anos, eu fui completamente apaixonado por uma morena com o nome de uma pintura famosa. Ela sentava na minha sala, ela também cantava no coral, ela estava ali todo dia e ela me rejeitou de todos os modos possíveis. Até os 20 anos, quando comecei a namorar, ela tinha sido minha única e exclusiva paixão – platônica ou patológica, você escolhe. Foi para ela que rabisquei alguns poucos poemas na época em que queria ser escritor, foi para ela que enviei algumas letras de música na época em que eu queria ser baterista de uma banda igual ao Aerosmith. A dor dessa frustração, desse nunca ter acontecido, me deixou criativo, como se eu estivesse tentando fazer aquilo acontecer com outras pessoas ou apenas com dois personagens no papel.

Em dezembro de 2005, meu namoro acabou. Eu saí me sentindo humilhado, pisado, abandonado, rejeitado… aquela coisa toda, same old song. Passei o Natal com minha família pertinho de onde morava a garota da minha adolescência. Ela sabia que eu estava lá e marcamos algo para o dia seguinte. Fim de tarde, bebendo caipirinha, estávamos ali, um passado em frente ao outro, sem conseguir ver além de nossas projeções. Ela também tinha saído de uma relação de 3 anos, ela também sempre gostou de mim e ela também estava ferida. Ela também muitas coisas até que ela também me beijou.

Quando uma relação acaba, sentimos que nunca mais vamos conseguir amar alguém, nos envolver, construir algo sabendo da possibilidade de tudo ser destruído no minuto seguinte. Tal processo revela um equívoco que sempre esteve conosco: em algum momento, confundimos “amar” com “ser amado”. No fim, quando acaba o “ser amado”, temos a certeza de que com ele o “amar” igualmente se foi.

Começou dentro do carro e depois foi para o prédio da minha tia. Aquele beijo não se estendeu para baixo das roupas. Ficou ali, em frente à piscina, me lembrando de algo bastante simples: quando somos abandonados, quem entra em crise é apenas nossa identidade mimada. Várias pessoas podem parar de “nos amar” e de “nos fazer feliz”, mas nós nunca perdemos a capacidade de amar e de fazer alguém feliz. Nesse mundo fodido, no meio dos destroços que somos e que nunca deixaremos de ser, se tem algo que o Natal pode simbolizar é isso: nossa liberdade além de qualquer identidade mimada, nossa generosidade além de toda a carência.

Até os meus 23 anos, eu tinha sido beijado. Algumas bocas vieram e me beijaram. Só isso. Aquele dia eu avancei sobre o sorriso indeciso previsto por Leonardo da Vinci bem antes daquela boca nascer. Aquele dia eu beijei meu primeiro beijo.

Como é bem sabido, nascer dói mais que morrer. Os três meses seguintes ao beijo, os primeiros de 2006, foram os mais importantes da minha vida até hoje. Eu peguei a minha dor nas mãos e comecei a fazer coisas com ela. E vi que é possível fazer coisas com a dor dos outros também. Os castelos que quando destruídos nos enchem de sofrimento, eles mesmos podem ser construídos do próprio sofrimento. Como a flor de lótus, alguns de nós já se tocaram de que não há outro material a não ser lama, lodo, lava, esgoto e sangue. Se há alguma felicidade possível, eis nosso único material de trabalho.

Agora quero ouvir. Faço um convite para você: deixe seu pequeno conto de Natal no blog do Wal-Mart. E me avise deixando um comentário aqui para que eu possa ir até lá e percorrer um pouquinho de sua história.

Blog Widget by LinkWithin

Para transformar nossas relações

Há algum tempo parei de escrever no Não2Não1 e comecei a agir de modo mais coletivo, visando transformações mais efetivas e mais a longo prazo. Para aprofundar nosso desenvolvimento em qualquer âmbito da vida (corpo, mente, relacionamentos, trabalho...), abrimos um espaço que oferece artigos de visão, práticas e treinamentos sugeridos, encontros presenciais e um fórum online com conversas diárias. Você está convidado.



Receba o próximo texto

29 comentários »

  • margarida

    Bonito!

  • Carla Matias

    Gustavo,

    Que 2008 tenha lhe proporcionado muitos problemas, e que você tenha conseguido resolvê-los com harmonia!

    Que tenha discutido eventualmente com algum de seus familiares ou amigos e chegado ao respeito!

    Que tenha se iludido em algum sentimento e aprendido uma bela lição!

    Que problemas financeiros tenham preocupado seu orçamento e tenha buscado as soluções, com justiça e boa vontade!

    Que tenha esperado mais de sua profissão e mantido o espírito de andar para frente!

    Que 2008 tenha causado dores de cabeça e desconfortos físicos e você tenha superado, refrescando os pensamentos!

    Que enfim, sob os auspícios da vida, você tenha passado poucas e boas e crescido mais e mais, com a alma disposta!

    Que você tenha percebido que vencer não é o mais importante e sim, saber levantar e continuar!

    E se este ano que passou não ofereceu esse precioso presente, me desculpem, mas desejo que 2009 traga para cada um aquilo que precisa para saber levantar e encarar a vida com o melhor olhar.

    Assim eu espero que você seja ainda mais FELIZ!

    ÓTIMO NATAL E UM SUPER 2009 PARA VOCÊ E TODA A SUA FAMÍLIA!!!

    Bjôooooo

  • LU

    é extremamente adorável.

  • Cris

    “não há outro material a não ser lama, lodo, lava, esgoto e sangue. Se há alguma felicidade possível, eis nosso único material de trabalho.”

  • Eterna Aprendiz

    “Se há alguma felicidade possível…”

    Olá menino ancião,

    Sim! Há uma felicidade possível! Eis a minha receita: pegue os ingredientes que você sugeriu (lama, lodo, lava, esgoto e sangue) misture os com a maior quantidade de generosidade (ou amor) que sua alma puder te fornecer e caminhe, despreocupadamente, pelo mundo até alcançar sua liberdade.
    As interações que a vida te trouxer nesta caminhada, te proporcionarão prazer e contentamento proporcionalmente ao grau de liberdade que você conquistou e serão tudo que você precisará para ser feliz!
    Hahahaha…deu vontade de rir porque tô ensinando padre a rezar missa…

  • Gustavo Gitti (autor)

    Ancião… hahahhah

    To mais pra Papai Noel, olha só a figura bêbada: http://www.flickr.com/photos/gustavodrums/

  • Débora Rangel

    Deixei minha história no wal-mart.

    O dia 25 de dezembro é muito importante em minha vida, é neste dia que eu celebro o amor, ele é vivido todos os dias, mais neste dia em especial eu celebro, eu invoco, eu me entrego a esse sentimento puro, sentimento que deveria mover o mundo, não algumas pessoas…

    Neste dia comecei a namorar o meu marido, mas, é muito mais do que isso, é o dia do nosso amor.

  • Aninha Baldani

    haha voltei ao monsenhor ao ler sua história…rs
    =)
    beijo grande!

  • Eterna Aprendiz

    Legal demais! Obrigada por ter compartilhado suas fotos!

  • Jazz

    texto fofinho, mas eu nem tenho contos de Natal ^^

  • Jo

    Definitivamente poderia ser o meu conto de natal.
    Em fase de construção de novos castelos…

  • Débora Rangel

    Um Feliz Natal para todos!

  • Ju

    “Tal processo revela um equívoco que sempre esteve conosco: em algum momento, confundimos “amar” com “ser amado”. No fim, quando acaba o “ser amado”, temos a certeza de que com ele o “amar” igualmente se foi.
    (…)quando somos abandonados, quem entra em crise é apenas nossa identidade mimada.”

    …adorei isso!

    FELIZ NATAL!!!!

  • Paula A.

    Que lindo… me faz lembrar, com muito mais beleza, do que eu não vivi… mas, de alguma maneira, viví!

  • Romina Cácia

    Adorei seu texto e acabei não resistindo ao “convite” de escrever algo. Depois que terminei o texto fui ao Wal-Mart e me dei conta de que meu tema não era bem o que tinham pedido. Mas decidi publicar por teimosia aqui: http://rominacacia.blogspot.com/2008/12/ponto-final-da-dor-com-lao-de-fita.html

    Feliz Natal e um ano novo cheio de surpresas sem censuras para o inesquecível.

    Beijo

  • Carla Ferreira

    Oi Gustavo

    parabens pela sua coragem de afirmar seu proprio sofrimento neste momento tão fashion do ano, onde o consumo está em alta e a vida interior passa batida…

    Sou mto orgulhosa de conhecer vc e como ganhei um livro do Padma Santem chamado Mandala do Lotus, sei do que vc está falando…

    Precisamos a reaprender a amar. Amar sem apego e sem mesquinharia.
    Tambem estou no meu processo e não é facil…

    Bjs, Carla.

  • Juliana

    Que lindo ponto de vista! Adorei.

  • Renan

    Brother gostei de tudo oque você escreveu, e eu concordo com tudo o que você escreveu, e isso acontece com muitas e muitas pessoas ficam se predendo a datas e momentos emquanto a outra pessoa nao esta nem ae mas para você nem lembra as vezes que você existe. E isso também ja aconteceu comigo me prendi a uma pessoa por mas de um ano e essa pessoa nem se quer se importava comigo.

    Meus parabéns pelas palavras muito bem colocadas.

  • Vanessa

    Que belo momento para ser compartilhado!

    Acredito que o mais “puro” amor, acontece na infância quando não há

    mascaras e pudores ao demonstrarmos o que sentimos. Vivenciamos tudo

    com intensidade e emoção!

    Obrigada

  • Cathy

    Eu me CASEI no dia de Natal!!! =D

    No começo eu nem queria, mas depois fui me apaixonando pela data, pelos preparativos e por tudo de bom que envolve essa época do ano, e sinto um orgulho IMENSO de carregar na minha certidão de casamento esse dia tão especial!

  • Ronaldo

    “Os castelos que quando destruídos nos enchem de sofrimento, eles mesmos podem ser construídos do próprio sofrimento”

    Essa vai pro meu orkut.
    Texto realmente muito bom.

  • Lu

    Lindo o texto.
    “Várias pessoas podem parar de “nos amar” e de “nos fazer feliz”, mas nós nunca perdemos a capacidade de amar e de fazer alguém feliz. Nesse mundo fodido, no meio dos destroços que somos e que nunca deixaremos de ser, se tem algo que o Natal pode simbolizar é isso: nossa liberdade além de qualquer identidade mimada, nossa generosidade além de toda a carência.”
    Essa parte é a melhor.

  • maisa

    amei o site apesar da vergonha de procurar esse tipos de sites par mim é vergonhosos mais fez me sentir melhore
    spu bv ainda estranho mulher bv
    mais o pior…ninguem acha ate agora
    a,ei foi comovente
    bjs pro genio que criou isso

  • maisa

    vc sabe realmente como fazer alguem chorar
    valeu me fez me sentir bem melhor
    vc é um genio
    minbha dor não vai passsar assim mais vai ameniazr…
    pena que ,quem eu amo não pensse assim
    esquece isso naõ é mais problema meu

  • michele

    muito bonita sua história *-*’

  • Talita Figueiredo

    Amei o seu texto e a Historia!!!

  • Sara

    : Eu vou contar a vcs uma historia…
    Era um dia muito bonito tinha no dia anterior olha na internet sobre primeiro beijo pois tambem sou bv e bvl,na escola chamei o garoto que eu gostava para conversa sosinhos, andamos devagar ate encostarmos na parede.Pequei sua mão e intrelaseis na minha a outra pus em sua nuca, ele já sabia o que eu quiria fazer e tambem sabia que eu era bv, ele permaneseu calmo, e deixou rolar, ele pasou o braço por minha cintura me puxando para mais perto, meus labios estavam quase se incostado nos dele quando o sino para iniciara a aula tocou…paramos imediatamente… fiquei tao abalada, em fim tinha tomado corage, ele queria me beijar e eu queria beijar ele, mas por causa de um sino idiota a unica chanse de beija-lo já era…Passamos uns tempos juntos mais ou menos 1 mes, depois ele me deu a noticia de que ia embora da cidade… des dai nunca mais o vi, só gostaria de pode beija-lo ou so falar com ele mas era tarde…muito tarde…
    Suo sara e tenho 11 anos

  • N.P.

    Gustavo,
    Pois é…já faz muito tempo que você ecreveu isso e talvez nem veja o meu comentário.Maaas,tenho que agradecer.
    Obrigada mesmo por fazer um post tão legal e que tem a ver com o Natal!
    E porque?
    Porque eu tenho uma história feliz e triste e muuuitas histórias tristes sobre essa data.
    É…eu nasci no dia 25 de dezembro.Essa é a história feliz e triste.
    Apesar de tudo que as pessoas me falam,eu gostava(e ainda gosto..em alguma lugar) do Natal e de ter nascido nele.Mas ouvi tantos contras,passei por tantos momentos ruins nessa data que quase(eu disse quase) fiquei com raiva do dia.
    Na verdade,é uma mistura de raiva com…muita coisa.
    E esse seu post ajudou,pelo menos hoje,ver que o dia do meu nascimento não é um monstro pra todos.
    Muito obrigada mesmo :)

  • Rodrigo Smoralek

    Desculpe..foi uma brincadeirinhaa o chingamento..hihi pq eu fico tão emocionado em falar sobre minha Deusa que perco as estribeira..Malz ai pessoal! Mas..voltando,queria dizer que tenho serios problemas com regeiçoes amorosas,realmente ja tentei ate me matar por conta do desprezo da minha ultima rainha..Vcs até podem achar engraçado pq ela nao quis mais nada comigo,pq tenho mtos problemas de gases..eh um problemão que enfrento durante essa minha escura e humilde vida.Sem quere me achar,tenho que confessar que sou um tanto lindoo,posso ter a maioria das mulheres que desejo..mas quando elas sentem o maior fedor saindo de perto de mim..fogem como pássaros.Realmente não sei se ainda tenho forças para continuar a viver.Por favor peço ajuda a vcs.. me ajudem a viver!!!