Meu corpo sobre a mente (ou Retiro de meditação)

por Gustavo Gitti 10 maio 2008 24 comentários

zafu_meditacaoEsta é uma continuação da série “Filosofia com o corpo” (leia “Meu corpo sobre a inveja” e “Meu corpo obre o arrependimento”).

Dedico cada palavra ao Lama Padma Samten e a todos que também estavam nesse retiro aberto de 4 dias no coração de São Paulo.

5h30. Joelhos lacrimejam. Sono. Muito sono. Torpor. Mais de 30 pessoas na sala. Não há música new age de fundo, não há mantras. Nem incenso nem movimentos tântricos. Há o tédio supremo (com trilha sonora do trânsito de São Paulo). No folder de divulgação não me lembro de ter visto alguma promessa de diversão ou garantia de transformação. Pelos menos não fui enganado.

Por que mesmo estou aqui? Porque eu tenho um blog de relacionamentos e seria bom eu saber, pelo menos um pouco, do que estou falando… Não. Porque eu tenho a motivação de trazer benefícios aos seres… Não. O que mesmo são “os seres”? Eu só conheço a Paula, o Bruno, a Fernanda, a Malu, a Juliana, a Mariana e mais alguns poucos. O que mesmo são benefícios? Eu só tento compartilhar o silêncio, comprar verduras, pagar as contas, tirar o lixo, não ser tão orgulhoso, invejoso, preguiçoso e, de novo, silenciar junto. Eu só sei fazer isso, não faço idéia do que sejam “benefícios”.

Por que mesmo estou aqui? Ah, sim, porque eu sofro e me debato contra a vida, porque muitas vezes quero outra coisa que não o presente, porque acho que algumas coisas são de fato permanentes e porque alguns de meus movimentos na vida machucam pessoas queridas. Estou aqui porque faço gente sofrer, mesmo (ou principalmente) quando não quero.

OK, vamos seguir as instruções. Focar na respiração e lentamente focar a energia do corpo. Quando fico torto e quase dormindo, quando me alinho e fico excitado, quando surge raiva ou ansiedade. Todas as variações de ânimo, de ventos internos. Porém, eu sequer sei o que é essa tal “energia”. Eu sequer tenho consciência dessas variações sutis internas. Em vez de movê-las, sou arrastado por elas, sou refém, presa fácil. É aí que estou: no ponto de perceber que não consigo nem seguir a instrução de meditar, no ponto de olhar em detalhe minha cegueira em relação a tudo o que vive dentro de mim.

E pensar que essa é só a primeira instrução! A segunda abandona o foco e se abre aos estímulos sensoriais, wide open, 360 graus. Outra, mais adiante, repousa na base não-construída dos fenômenos. Até que a meditação final vê cada detalhe como a perfeita manifestação da realidade última, além de vida e morte, além de espaço e tempo. É dessa visão que surgem os hai-kais:

silencioso lago
o sapo salta
tchá

(Carlos Verçosa, em Oku: viajando com Bashô)

Os olhos tem de ficar semi-cerrados ou abertos. Estou de olhos abertos agora. Estou vendo as costas desta mulher, ela não é bonita, eu acho que já a vi em outra ocasião, será que eu lembro o nome dela? Não lembro, mas a do lado, que eu não vejo, é a Luciana. Eu consigo sentir seu perfume, minha irmã usava a mesma marca, eu lembro bem daquele dia quando nós… Eu ainda estou de olhos abertos? Não sei, vou tentar abrir os olhos: se conseguir, é porque não estava. É, eu abri e agora é nítido. Estava sonhando.

Incrível. Não só que meus olhos se fechem sem que eu perceba, mas que minha mente siga vendo coisas exteriores como se estivessem lá fora. Minha mente segue reagindo a impulsos e pensamentos, eu sigo pulando de um mundo a outro, igual faço com sites na Internet, com abas no Firefox, com emails. Eu sou levado, eu não tenho controle algum de meu destino. Será que é por isso que, sem querer, muitas vezes acabo chutando e pisando nos outros? Talvez seja esse mesmo automatismo que muitas vezes me leve para locais onde eu não queria ir.

O sono é denso e todo-abrangente. Eu não consigo me livrar. Arranho minha própria mão, finco as unhas no braço, abro bem os olhos. Tudo para não dormir. Meu corpo treme, meu metabolismo diminui, sinto frio, choques e um calor que parece que pesa. Tudo em vão, quando me dou conta, abro os olhos: dormi de novo. Dessa vez, acordo com a certeza de que os últimos 3 meses de minha vida foram idênticos a essa longa piscada. Eu fiquei dormindo, sonolento, dormente. Eu não lembro de ter respirado, de ter sorrido abertamente, de ter olhado fundo nos olhos de alguém. Sim, a meditação apenas explicita – por condensar e intensificar – um movimento que acontece a todo tempo em meu cotidiano.

O sono é sólido, concreto. A dor arrebata e me envolve até transformar a sala inteira em um grande incômodo. A pedra no sapato se torna 100% da realidade. O mundo inteiro não passa de um joelho latejante. É inescapável. Até que lembro de minha própria morte ou me vem à mente cenas da última noite de sexo ou o lama fala “Meditar é praticar liberdade” e eu me alinho inteiro. Cadê o sono e a dor? Cadê aquilo que era tão concreto, existente, real? O que mesmo estava me aprisionando? Não pode ter sido só uma nuvem onírica! Não é possível que eu tenha passado alguns bons minutos sofrendo só por causa de uma maldita névoa. De novo, não foi só agora. Venho fazendo isso a vida inteira. Os minutos são meses, anos. Dou solidez ao que surge e então, de uma hora para outra, não vejo mais saídas. A claustrofobia do sofrimento quase sempre me faz pensar em me matar. E sigo na montanha-russa, do êxtase ao suicídio, da abertura ao fechamento total, da leveza ao peso insustentável.

Um passarinho canta ao longe, sorrio por dentro. A caixa de som pega interferência de uma rádio, me irrito, me debato, quero levantar e ir embora. Olho a gostosa do outro lado da sala, me encho de tesão. Ouço o gordo de trás espirrar, fico preocupado com a situação de minha blusa. Lembro da última briga, entro em depressão. Objetos, seres e situações exteriores movem minha energia interior. Sou refém de tudo e de todos.

Fico com o outro porque ele me faz sentir de um jeito que me sinto só com ele. E então o abraço e não quero soltar, não quero parar de sentir essa coisa gostosa que vem não sei de onde. Preciso de pessoas e objetos, preciso de sites, livros, chocolates, filmes, músicas, dinheiro, sexo, olhares, festas, momentos, férias, trabalho, elogios, sorrisos. Para cada um de meus 8.457 estados de felicidade, preciso de um elemento exterior correspondente. Meu coração só bate quando ativado, fisgado por alguém. Meu pulmão só funciona quando inflado por uma bomba. Só ando quando me carregam.

Sofro porque sou incapaz de direcionar minha própria energia, de construir meus estados de ânimos, de reconhecer que sou o criador de tudo o que surge dentro de mim. Depois de analisar todos os estados da alma, é isso que Espinosa conclui na quinta parte de sua Ética. O tema é justamente esse: a liberdade humana. Assim como Nietzsche ou qualquer mestre budista, Espinosa não vê a liberdade como a cessação do desejo. Para ele, o controle dos desejos não produz liberdade. Pelo contrário, é a liberdade que leva à capacidade de responder ou não ao que surge, de direcionar a ação de modo autônomo. Ora, a potência de viver é justamente aquilo que não consegue se expandir plenamente no processo reativo condicionado. A alegria, o regozijo, o desejo vivido, só é possível na liberdade, na ação. Meditantes, em vez de apáticos e desconectados, tendem a ser mais desejantes, vivos e apaixonados por tudo e por todos.

Embora eu não acredite em preces, começo a rezar para que o lama toque logo o sino e ponha fim na minha tortura. Será que já se passaram os malditos 30 minutos? Comecei na respiração, dentro e fora, enchendo e esvaziando, só observando, sem forçar, e agora estou ofegante, cansado, pensando nos postulados espinosanos, nas aulas de filosofia e no texto que vou produzir para o blog. Ainda não sei se meus olhos estão fechados. Tomara que isso acabe logo.

5h31.

Blog Widget by LinkWithin

Para transformar nossas relações

Há algum tempo parei de escrever no Não2Não1 e comecei a agir de modo mais coletivo, visando transformações mais efetivas e mais a longo prazo. Para aprofundar nosso desenvolvimento em qualquer âmbito da vida (corpo, mente, relacionamentos, trabalho...), abrimos um espaço que oferece artigos de visão, práticas e treinamentos sugeridos, encontros presenciais e um fórum online com conversas diárias. Você está convidado.



Receba o próximo texto

24 comentários »

  • Nati

    Nossa!!!

    Faltou ar ao ler.

    “Incrível. Não só que meus olhos se fechem sem que eu perceba, mas que minha mente siga vendo coisas exteriores como se estivessem lá fora. Minha mente segue reagindo a impulsos e pensamentos, eu sigo pulando de um mundo a outro”

    Ao ler o texto, eu estava na sala de meditação, vendo o espirro, a moça, sentindo o perfume. Senti sua agonia, e eu estava lendo??

    E eu faço isso direto. Sem perder oque estou lendo (pelo menos eu sei do que se trata) eu vou pra outros lugares,vejo outras situações me preocupo com outras coisas. Eu estou lendo?

    Ao escrever isso, estou pensando em outras coisas. Na verdade nem sei quem sou, e onde estou.

    Tudo pisca a minha volta. E minha mente faz cópias o tempo todo do que vivi. E desenha, o que não vivi.

    E quando penso nas cópias, já me vêm uma cópia em mente!! Que vontade de gritar!!!!

    Gostei não…

  • Dr. Love

    Pode apagar o resto do blog. Ficou supérfluo.

  • Nati

    Apagar é exagero Dr.

    Mas ficou foda mesmo. Como dizem por aí.. “É outro departamento”

  • Intense

    “Fico com o outro porque ele me faz sentir de um jeito que me sinto só com ele.”…vou roubar esse paragrafo e todo o resto, com a devida fonte (lógico) pra colocar nos meus ‘guardados’…

    Tenho lido por aqui e não me lembro se cheguei a comentar…mas hj li e comento, pq…ficou…tudo?rs não acho as palavras.

    ;)

  • Thiago

    Confesso que nunca vi nada igual.

    Aliás, nem parecido. E a maneira como descreveu o sonho.. as analogias criadas pela mente, que lembra-se do perfume e já começa a ligar isso a situações..

    E nossa maneira de reagir interiormente a estímulos externos (aliás, é SÓ o que fazemos, somos apenas isso), tudo ficou perfeito.

    Sem tirar nem por.

    Parabéns!

  • Thiago

    P.S. acabei de ler:

    Copyright © 2005-2007 Gustavo Gitti / Tema (modificado por mim) PurpleCrunch.

    bora colocar 2005-2008, já estamos em maio.. jajá pula prea 2009 direto! haha

  • fabiana

    obrigada.
    é assim mesmo. tudo igualzinho.
    o meu monge diz
    - você pode se decepcionar com tudo:
    o método, a meditação, eu, o templo.
    mas não há como se decepcionar com você mesmo que tomou a decisão consciente de se auto-disciplinar pela meditação.
    - o caminho é assim: um minuto de cada vez.
    lindo.

    ps – vai parecer coisa de maluca, mas eu sonhei com a suas orelhas outro dia! elas estavam no rosto de uma outra pessoa (que tb não conheço na vida real!) mas EU SEI que eram as suas orelhas!

  • ju bardi

    primor!

  • Lilian Fernandes

    Perdi essa oportunidade. Na verdade, fiquei receosa. Será que eu aguentaria o ritmo e tamanha agonia?

  • Gustavo Gitti (autor)

    Oi Lilian!

    Sentimos sua falta lá!

    Claro que você aguentaria! Tem um amigo meu que me observa há mais de 3 anos “nesse lance de Budismo” (eu nunca fico panfletando) e resolveu, do nada, ir a esse retiro sem sequer ter ido a uma prática. E ele adorou, mesmo com muita dor (todos estávamos assim).

    No fim, a gente nem sabe o que acontece, mas algo muda. E então há uma choradeira coletiva inexplicável no último dia. Bonito de ver.

    Abração!

  • Lilian Fernandes

    Imagino. Deve ter sido lindo de ver. A Eliana me falou sobre a choradeira coletiva.
    Espero participar numa próxima vez.
    ;-)

  • Carolina Vianna

    Ufa, fiquei até sem fôlego com este texto! O melhor que já li por aqui! Às vezes esqueço que não sou só eu que luto sentada na almofada, que sofro, que sinto dor, que quero ir embora correndo; juro todos os dias que nunca mais volto; que chega! Pra quê td isto afinal? Mas no dia seguinte tô eu lá de novo, firme e forte com minha almofadinha!

    É reconfortante, e até engraçado, lembrar que no fim das contas, somos todos iguais, sofremos do mesmo jeito, temos as mesmas crises, os mesmos medos. As mesmas buscas? Este texto me lembrou minha humanidade. Todo mundo farinha do mesmo saco!

    Obrigada.

    :D

  • Lívia

    “Objetos, seres e situações exteriores movem minha energia interior. Sou refém de tudo e de todos”

    exatamente…

    o silêncio traz tantas respostas né?

  • josy

    essas coisas q vc escreve…tao suas. tao minhas.

    quero te pedir uma coisa… escreva sobre pessoas q nao sabem ser amadas. nao as q nao sabem amar, dar, doar… mas as q nao conseguem receber essa coisa especial…

  • Ju

    Já tinha lido este texto algumas vezes, já reli mais algumas desde que colocou como destaque. Como disseram – o silêncio traz respostas – eu acrescentaria que isto acontece nas mais diversas situações…

    Os outros textos “meu corpo sobre…” também são fantásticos. Serão relidos internamente por mais um tempo. Talvez comente depois.

    Reforço o pedido da mocinha acima! O ato de “receber”, se sentir merecedor, é tão importante quanto o conseguir amar. Em uma relação em que um não “consegue” receber, é comum que a energia do “doador” se esvaia.Sim, podemos pensar na maxima “o importante é amar sem querer nada em troca”, mas eu sinto uma certa hipocrisia nisso tudo. No que vejo e ja senti, quando isto acontece, os rumos não são os melhores pra ambas as partes.

    (Uso muitas aspas porque acho que são conceitos sempre discutíveis)

    Lembro daquela famosa do Pequeno Príncipe: “tu te tornas eternamente responsável por qaquilo que cativas”.

    Sinto que é mais ou menos por aí, saber cuidar dos sentimentos que nos são direcionados não é tarefa fácil, nem sempre sabemos/conseguimos/ damos conta de fazê-lo da melhor forma, outras vezes nem percebemos que isto é possível.

    Mais uma vez, parabéns.

  • Aurora

    Muito legal esse post! Alguns acham que meditar traz relaxamento e eu fico me perguntando se eles meditam mesmo.

    Para mim tem haver com honestidade consigo mesmo e isso não é um lugar muito confortável. Acho que vc conseguiu descrever com primor. Parabéns!

    Argh! sem mantras é muiiiiiiiiiiiiiiiitttttttttttttttttooooooooooo difícil para mim.

    Abs!

  • Cláudio Pedroso

    Fantástico!

  • Malu

    Olá Gustavo,

    Descobrir seu blog nos últimos meses foi e está sendo uma delícia.

    Seu jeito de falar, de sentir é contagiante. E veio ao encontro de uma vontade crescente dentro de mim de tornar público alguns dos meus próprios escritos.

    É claro que escrever já está na minha veia (e na minha profissão), mas tocar as pessoas com as palavras é um ato que se alcança dia-a-dia, em um exercício de prática e de coração desvelado.

    Parabéns pelo texto.

  • Marcia

    “Dessa vez, acordo com a certeza de que os últimos 3 meses de minha vida foram idênticos a essa longa piscada. Eu fiquei dormindo, sonolento, dormente. Eu não lembro de ter respirado, de ter sorrido abertamente, de ter olhado fundo nos olhos de alguém.”

    Simplesmente, PERFEITO!!!

    Poucos percebem que só acordamos para a vida quando olhamos no fundo dos olhos de alguém, quando tocamos um coração…

    ;-)

  • Michel

    Eu ja li esse texto em algum lugar…
    mas acho que não foi aqui…

  • Lara

    É só tentar silenciar que vem todas as merdas da nossa mente, cheia de lixo, se debatendo, reclamando: “como assim, vc não precisa de mim? Precisa sim, vc vai ver como vc vai comigo por onde eu quiser!”.
    A “coitada” da mente tem vida própria, essa praga.
    Eu acho muito dificil sabe.. só tem uma coisa que me ajuda (um pouco): tentar me desindentificar de tudo, observar e rir da mediocridade que eu apresento. Mesmo assim, pode ser um movimento da mente.
    E tem que ter leveza né, não se levar a sério. Mas quase sempre eu não tenho, eu começo cheia de sinceriade e nos 2 primeiros minutos minha mente acusa todo grupo de mentiroso, me reprimo e, então, me condeno. Mas é isso aí.

  • Khandinho

    Esse texto me lembrou o clube da luta!

  • Adriana

    Sem palavras…

    Digno de uma obra literária…

    Parabéns pelo espaço
    Parabéns pela tua escrita…

    Abraço

  • Daniel

    É, somos realmente uma confusão. Uma interessante confusão que é objeto de apreciação e análise há milênios. Encontramos e perdemos a lucidez na montanha-russa das emoções.

    Parabéns pelo texto, Gustavo.

Deixe seu comentário...

Se for falar de seu relacionamento no comentário, seja breve, não cite nomes e não dê muitos detalhes, caso contrário não será publicado. Lembre-se que não há nenhum terapeuta de plantão.