Meios hábeis do amor (3) – O jogo do encontro

por Gustavo Gitti 21 setembro 2006 15 comentários

“Pois tudo o que se sabe do amor
É que ele gosta muito de jogar”
(Adriana Calcanhotto, trecho de Vai Saber?, álbum “Universo ao meu Redor”, na versão de Marisa Monte, ouça enquanto lê)

O desenvolvimento humano às vezes é descrito como um aparar de arestas. Cada vez mais nos tornamos redondos, sem espetar as pessoas, criando relações positivas e virtuosas. Com menos arestas e atritos, aumentam as possibilidades de encaixe e conexão com outras pessoas. Ainda nesse sentido, nosso crescimento também pode ser visto como a progressiva capacidade de deixar o amor passar por dentro de nós. Menos arestas, menos obstruções às energias do amor. Afinal, o amor que vem de mim nunca será do tamanho do amor que passa por mim. O amor livre, que funciona e traz felicidade, é justamente aquele que não nos pertence.

E como fazer para que o amor passeie por nós mais facilmente? Vou sugerir uma resposta. Pense no amor como um grande atleta, jogador ou artista profissional. Para ele, quanto mais desafios e regras, melhor. Como um jogo de vôlei seria envolvente se não estabelecesse regras claras? Ou como um músico comporia sua obra-prima sem escalas melódicas, sem padrões rítmicos bem definidos, sem as especificações de cada instrumento? Os limites e definições não são um impedimento à liberdade, mas sua própria expressão. Ou seja: sem regras, sem diversão.

O que muitas vezes acontece nas relações é o abandono ou o esquecimento das regras lúdicas que inicialmente ativaram a conexão. O amor só passeia quando há espaço, e o espaço do amor é um espaço de jogo. Ele é um jogador profissional que só dá resultados quando é desafiado, quando há campo, quando há jogo. Ou ainda, o amor é como a criatividade: emerge quando a espontaneidade líquida percorre a solidez da estrutura. As regras restringem, mas ao restringir abrem um feixe de possibilidades criativas – sulcos, cavidades, tubulações e trajetos, onde antes só havia água parada.

Se as relações amorosas basicamente são tecidas por encontros (o primeiro encontro, aquele jantar, a lua-de-mel), podemos revolucioná-las por este centro, alterando o processo principal que nos faz nascer como casais. Podemos brincar com a estrutura dos encontros, para que o amor seja atraído e venha jogar em nosso campo. A estrutura atual dos encontros é infantil demais, fraca, escassa de regras. A água fica parada. Ele liga, passa para pegá-la, ambos sabem para onde vão. Ele envia um email, agendam, tudo corre como planejado. Previsível.

O jogo do encontro ilumina justamente os pontos despercebidos em um encontro convencional. Ele pára e brinca onde todos passam correndo. Em vez de ligar dizendo a data, o horário e o local, vá ao trabalho dela e deixe uma carta explicando 3 tarefas (nunca diretamente, utilize um intermediário). Para descobrir a data, ela terá de alugar e rever o primeiro filme que vocês viram juntos no cinema anos atrás. Ela enviará uma mensagem no celular dele com um dos diálogos do filme, e ele responderá com a data do encontro. Para o horário, ela terá de ir num sex shop e comprar o que desejar. E o local só será revelado quando ela for numa aula de tango ou aprender meditação naquele templo zen lá na Liberdade.

Idéias para as tarefas não faltam. Apenas tome cuidado para não aproveitar e pedir tudo aquilo que você sempre quis que seu parceiro fosse ou fizesse. Não use o jogo motivado por carência, fazendo exigências, esperando algo. Proponha uma tarefa pensando em como o amor será magnificado, como a relação será construída novamente e, principalmente, como o outro se divertirá, se transformará, se abrirá.

Eu penso que somente as mulheres podem testar seus parceiros, exigir algumas coisas, desafiar suas fraquezas: “Passe um dia observando seu orgulho”, “Não fume por uma semana”, “Coloque seu amor por mim no papel”. Os homens, pelo contrário, devem se preocupar em celebrar o brilho de suas parceiras, em costurar mistérios, renovar o mito da relação: “Escreva 10 coisas que gostaria de fazer antes de morrer e realize uma delas”, “Passe uma semana sem nenhum contato comigo, nem por telefone ou email, e sinta minha presença em seus mundos, sinta-me ao seu lado”, “Pergunte-me 3 coisas que você sempre desejou saber” etc.

Umas das tarefas mais deliciosas é a inversão do jogo, pedindo que ela assuma o controle, marcando o próximo encontro com 3 tarefas para você. O segredo é não ter medo das possíveis reações de seu parceiro. Saiba que ele ou ela deseja isso também. Confie.

Eis abaixo um exemplo do texto que inicia o jogo. Ele escrevendo para ela:

Data: Conte tudo sobre sua relação comigo para uma amiga que não mantém contato comigo. Faça isso pessoalmente e peça para ela ir anotando tudo (o que você fala, suas expressões, suas emoções, tudo!). Conte coisas que nunca contou pra ninguém, coisas de travesseiro, coisas que aprendeu, coisas que ensinou, como você ama ou como não ama, como eu te amo, o que eu faço, meus charmes, meus defeitos, como você é comigo, o que eu faço surgir em você, detalhes íntimos, sexuais, tudo. Surpreenda-a, surpreenda-se! Peça que essa amiga ligue para mim e relate absolutamente tudo: o que você contou, como contou, o que sentia, como estavam seus olhos. Ao final da conversa, revelarei a data.

Horário: Durante os três próximos dias, pratique contração dos músculos pélvicos. 20 contrações pela manhã (pode ser na hora que você está passando condicionador no cabelo) e 20 contrações à noite (sentada, um pouco antes da meditação, por exemplo). Avise-me por email que responderei com o horário.

Local: Prepare uma aula de 30 minutos sobre qualquer tema e seja minha professora. Após a aula, passarei informações sobre o local.

Para o local, minha sugestão é que você não revele o lugar verdadeiro, e sim um outro próximo, para que ela apenas o encontre lá, sem saber de fato onde você a levará.

No encontro, inove. Conduza-a por um jantar em silêncio total, apenas com olhares e bilhetinhos (leve papel e caneta) esporádicos. Guarde uma grana e faça uma reserva em um restaurante de luxo. Se você nunca usa roupa social, vá de terno. Se sempre usa, prepare um piquenique no melhor parque da cidade e vá estilo hippie. Ou esqueça os lugares e faça o encontro acontecer direto na sua cama. Sem cinema, sem jantar, sem conversa, sem nada.

Eu morei 2 anos com minha ex-namorada e nunca sequer imaginei fazer um jogo desses. Tão simples, mas tão subversivo! Funciona bem principalmente para os casais que moram juntos e perderam o encanto de marcar um encontro. No entanto, os solteiros podem aplicar a idéia como uma forma de conquista e sedução. O objetivo é construir o encontro muito antes que ele aconteça, fazê-lo nascer sutilmente, prepará-lo internamente com o mesmo cuidado com que preparamos nosso quarto antes de uma noite de amor. Tal construção nos transforma porque cada tarefa implica em uma abertura, um reencantamento de mundos. As tarefas são o início do jogo; o encontro, sua celebração. Criando um espaço lúdico, propondo desafios, brincando e ousando artisticamente, convidamos o amor. E ele vem.

Blog Widget by LinkWithin

Para transformar nossas relações

Há algum tempo parei de escrever no Não2Não1 e comecei a agir de modo mais coletivo, visando transformações mais efetivas e mais a longo prazo. Para aprofundar nosso desenvolvimento em qualquer âmbito da vida (corpo, mente, relacionamentos, trabalho...), abrimos um espaço que oferece artigos de visão, práticas e treinamentos sugeridos, encontros presenciais e um fórum online com conversas diárias. Você está convidado.



Receba o próximo texto

15 comentários »

  • Carol Bahia

    Simplesmente perfeito!!!

    Bom final de semana…
    Beijos

  • Luciana

    Ponto de vista muito interessante, idéias claras do universo feminino,muito legal mesmo, mas a teoria…Ah teoria é perfeita só q quando chega a hora da prática esquecemos todas as teorias….é absurdamente incrível como sabemos tanto e fazemos exatamente ao contrário tantas vezes….todos nós, homens e mulheres…
    Gostei muito, um abraço

  • Declarações de amor: 10 sugestões para você surpreendê-la(o) - Parte I | Nossa Via: o conteúdo passa por aqui!

    [...] Conduza-a por um jantar em silêncio repleto de respirações, olhares e toques. Não faça em casa: o ideal é que seja em público, em um restaurante mesmo. Leve um bloco de notas para que vocês se divirtam com bilhetinhos entre si. Ficará ainda mais gostoso se vocês não pronunciarem nenhum som e usarem bilhetinhos até mesmo com o garçom. Não tenham medo do (inevitável) ridículo. Ah, e você pode ousar até mesmo no simples ato de marcar o encontro… [...]

  • Declarações de amor: 10 sugestões para você surpreendê-la(o) | Não Dois, Não Um: Um blog sobre relacionamentos lúcidos

    [...] Conduza-a por um jantar em silêncio repleto de respirações, olhares e toques. Não faça em casa: o ideal é que seja em público, em um restaurante mesmo. Leve um bloco de notas para que vocês se divirtam com bilhetinhos entre si. Ficará ainda mais gostoso se vocês não pronunciarem nenhum som e usarem bilhetinhos até mesmo com o garçom. Não tenham medo do (inevitável) ridículo. Ah, e você pode ousar até mesmo no simples ato de marcar o encontro… [...]

  • Priscila

    Putz, estou me identificando… há duas semanas conheci um cara que, não é possível, deve ser leitor desse blog… hahahahah

  • Projeto LoveCode001 na Campus Party: descubra quem está apaixonado por você! | Não Dois, Não Um: Um blog sobre relacionamentos lúcidos

    [...] Agora é com você. Como eu já disse, o amor não é um jogo, mas ele ele se dá por jogos. [...]

  • Charles Santana da Fonseca

    Olha muito bom mesmo. e o melhor de tudo é que realmente da vontade de sair criando alternativas para diversificar o jogo. olha com todo o respeito vou divulgar pra todo mundo. Isso deve ajudar muita gente que ja esta entediado com a rotida do viver a dois.

  • Meios hábeis do amor (5) - A ligação silenciosa | Não Dois, Não Um: Um blog sobre relacionamentos lúcidos

    [...] a criação de um blog secreto, arrisquei relatar o dia em que segui uma mulher, falei sobre o jogo do encontro e sobre presentear estranhos. Depois passei um bom tempo colocando minha vida do avesso em outras [...]

  • Núbia

    Técnico demais pra mim… rs
    Melhor improvisar.

    Beijos

  • Daiane

    Parabens pelas dicas criativas e excelentes que tem deixado aqui…
    Com certeza aprimoram o relacionamento de quem se “puxa” pra fazer!!!
    Pra quem mora distante da pessoa amada o que propoe???
    Bju

  • Caroline .M.

    “Os homens, pelo contrário, devem se preocupar em celebrar o brilho de suas parceiras, em costurar mistérios, renovar o mito da relação: ‘Escreva 10 coisas que gostaria de fazer antes de morrer e realize uma delas’, ‘Passe uma semana sem nenhum contato comigo, nem por telefone ou email, e sinta minha presença em seus mundos, sinta-me ao seu lado’, ‘Pergunte-me 3 coisas que você sempre desejou saber’ etc.”

    Isso é tudo o que eu sempre pensei mas nunca soube colocar em palavras.
    A propósito, o blog é maravilhoso. Vou recomendá-lo a todos os meus amigos e amigas apaixonados, namorando, ficando. Soou para mim como o verdadeiro guia de uma relação constantemente amorosa e instigante, sem pregar estereótipos nem clichês. Não prega comportamentos, mas sim dicas, sugestões. Coisas simples e muito significativas que todo casal pode fazer, adaptando a si. E, pra mim, quebrou com aquela coisa de “há os meninos poetas e os meninos sem poesia”. Foi o meio-termo que eu sabia que existia, mas ainda não tinha visto em lugar algum. Porque não se limita a poesia. Me parece mais como habilidade de reavivar o amor.

    Continue, continue =D

  • lorenna

    o meu deus q bunitinhu

  • Tô precisando de alguém com quem jogar.Sniff.Idéia perfeita!!!

  • Carol

    Nossa…que texto maravilhoso, luminoso. De repente me vi cheia de amor, e querendo ser passagem de muito amor.

    Gustavo, seu site, que infelizmente só conheci hoje, é lindo. Ainda que tardia a descoberta, oportuna. Acabo de conhecer alguém com quem gostaria de jogar todos os jogos de amor… A minha timidez, o fato de ser mulher e o fato de ter o conhecido em uma festa me limitam a tentar algo parecido. Tentarei desafiar os limites=)

    Queria parabenizar pelo site, principalmente a mensagem que quer passar… Não dicas toscas, nem comentários toscos sobre mulheres e homens. Mas vc exalta relacionamentos mais maduros, mais sublimes, mais bonitos.

    Delícia de site!

    Abraço da mais nova frequentadora semanal=)

  • Karenn

    Boa noite…
    Adotei a idéia… achei fantástico.
    Bom meu noivado está um pouco dificil, em crise, pra variar.
    Então resolvi fazer o jogo para saber as reais intenções do meu noivo e para demonstrar mais uma vez meu amor por ele.

    Não fiz do mesmo jeito que o ensinado acima não, mas segue a mesma linha de raciocínio.
    Fiz três cartas, cada uma com uma tarefa.
    A primeira, tem um pequeno resumo do que está acontecendo nas nossas vidas: MUDANÇAS
    E logo após lançei a primeira tarefa.
    A segunda e a terceira ainda não escrevi, mas já tenho a terceira em mente.

    Espero que tenha aprendido direitinho e que eu consiga aproveitar a ideia e fazê-la direitinho….

    Depois de pronto envio o meu jogo completo…

    Abraço